Nuvem de gafanhotos se aproxima do Brasil

Cotidiano

23 de junho de 2020 16:16

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

WhatsApp ganha recurso de verificação de mensagem

Paraná já conta com R$ 200 milhões para compra de vacinas

Confiança do empresário sobe pelo terceiro mês seguido

Mourão manifesta preocupação com incêndios na Amazônia
Mercado acredita em redução da taxa Selic nesta semana
Divulgado calendário do auxílio emergencial de quem contestou
BNDES terá mais recursos para recuperação de resíduos sólidos
PUBLICIDADE

Insetos a procura de comida estão próximo à fronteira do Rio Grande do Sul. Mapa da Senasa aponta que praga pode chegar ao Paraná

Uma nuvem de gafanhotos está se aproximando a cada dia mais do Brasil. O Serviço Nacional de Saúde e Qualidade Agro-Alimentar (Senasa), do governo argentino, emitiu um alerta: os insetos estão perto da fronteira do país com o Rio Grande do Sul. A Argentina vem, desde maio, monitorando a nuvem que veio do Paraguai e se instalou nos países vizinhos.

Com a falta de alimentos, os insetos se aglomeram e saem em ‘bando’ a procura de novos recursos. Segundo a Senasa, Santa Catarina e uma pequena parte do Paraná também precisam ficar em alerta nas próximas semanas. O Ministério da Agricultura da Argentina fala que os gafanhotos podem se deslocar quase 100 quilômetros por dia.

Segundo o engenheiro agrônomo da Emater de Uruguaiana (RS), Daniel da Costa Soares, que foi entrevistado pelo portal de notícia G1, é um cenário inédito para os profissionais da área e produtores atingidos. “Ainda não temos muita certeza do que vai acontecer, se eles vão entrar aqui ou não, mas já estamos conversando com produtores sobre o assunto”, afirmou o especialista.

As lavouras estão entre as principais áreas afetadas, informa o governo argentino. No Paraguai, a destruição as lavouras de milho causou um grande prejuízo ao país vizinho. Os mais de 40 milhões de insetos avançaram até atingirem a Argentina no último fim de semana. Os dados apontam, segundo o engenheiro agrônomo argentino Héctor Medina à agência Reuters, que a nuvem consomem o mesmo que duas mil vacas ou 350 mil pessoas diariamente.

Apesar dos danos a lavouras, problemas econômicas e outros contratempos causados às áreas rurais dos países afetados, não há impacto direto ao ser humano. O Brasil, em 2017, teve uma nuvem de gafanhotos em 2017, no estado do Pará.

Com informações do portal G1.

| Foto: Reprodução/Senasa
 

PUBLICIDADE

Recomendados