Morre José Mojica Marins, o Zé do Caixão, aos 83 anos

Cotidiano

19 de fevereiro de 2020 18:19

Da Redação


Relacionadas

Antes da Covid-19, comércio cresceu no início de 2020

Lojas MM promove primeiro 'feirão digital'

Ronaldinho é transferido para prisão domiciliar no Paraguai

Brasil registra 667 mortes pela Covid-19 e 13,7 mil casos
Ações de extensão universitária reforçam apoio à população
Bolsonaro e Haddad trocam provocações no Twitter
Paraná tem nova morte e outros 45 casos de Covid-19
Cineasta paulistano Ficou conhecido em todo o país pelo personagem que criou Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Cineasta paulistano Ficou conhecido em todo o país pelo personagem que criou

Morreu em São Paulo nesta quarta-feira 19 o cineasta José Mojica Marins, aos 83 anos, famoso por encarnar o Zé do Caixão, personagem que fundou e deu rosto ao gênero “terrir” – o terror escrachado que faz rir – no cinema brasileiro. A morte de Zé do caixão foi confirmada a VEJA pela sua filha, Liz Marins. Ele estava internado no hospital Sancta Maggiore, com broncopneumonia.

Marins nasceu no ano de 1936 em uma antiga fazenda pertencente a uma fábrica de cigarros, localizada onde hoje fica o bairro de Vila Mariana, em São Paulo. Aos 3 anos , a família mudou da fazenda para uma casa nos fundos de um cinema no bairro da Vila Anastácio, que passou a ser gerenciado pelo pai, Antônio André Marins, antes artista de circo. Por causa disso, Marins passou a infância lendo seus gibis e brincando de teatro de bonecos em salas de cinema vazias e salas de projeção, enquanto acompanhava o trabalho do pai.

Aos 12 anos, familiarizado com a produção cinematográfica, ganhou sua primeira câmera V-8. Aos 17, autodidata e determinado a trabalhar como diretor, já havia fundado uma escolinha de atuação para seus amigos do bairro. Nesta época, Marins produziu alguns curtas amadores até ter a ideia de fundar a Companhia Cinematográfica Atlas. Seu interesse por temas escatológicos e desconfortáveis também data deste período: os testes para atores eram feitos com insetos, para verificar a “coragem” de cada um. As autoras americanas Stephanie Dennison e Lisa Shaw contam todos estes detalhes no livro Popular Cinema in Brazil, de 2004.

O personagem Zé do Caixão foi criado em 1963, após um pesadelo que atormentou Marins por algumas noites. “Vi num sonho um vulto me arrastando para um cemitério. Logo ele me deixou em frente a uma lápide, lá havia duas datas, a do meu nascimento e a da minha morte. As pessoas em casa ficaram bastante assustadas, chamaram até um pai-de-santo por achar que eu estava com o diabo no corpo”, afirmou em entrevista para o Portal Brasileiro de Cinema. A partir daí nasceu a personagem originalmente batizada de Josefel Zanatas, o Zé do Caixão. 

Mojica é considerado um dos mentores do movimento marginal no Brasil dos anos 60 e 70. Os títulos de seus filmes são, por si só, clássicos da filmografia B nacional: Encarnação do Demônio, À Meia-Noite Levarei Sua Alma, Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver e O Estranho Mundo de Zé do Caixão são alguns deles.


Com informações da Veja

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização