Vereador pede informações sobre obras no Mercadão

Ponta Grossa

08 de julho de 2020 20:14

Dhiego Tchmolo


Relacionadas

Moradores do Santa Maria reclamam de alta velocidade em via

Rotary promove arroz carreteiro para ajudar entidades

Exportações de PG crescem em julho e somam R$ 3,15 bi em 2020

Câmara discute orçamento da Prefeitura de PG para 2021
Prefeitura afasta profissionais da saúde por Covid no PSM
Keyla Sanson descarta polarização e foca em gestão técnica
Bispo Dom Sérgio parabeniza Felipe Passos em live
Zampieri (REPUBLICANOS) foi até o local do antigo Mercado Municipal nesta semana Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Ricardo Zampieri esteve no local, cita falta de pagamentos de empresa responsável pela reestruturação do espaço e pede posicionamento da Prefeitura. Executivo responde

O vereador Ricardo Zampieri (REPUBLICANOS) foi até o local do antigo Mercado Municipal nesta semana. O espaço que deveria ser chamado de 'canteiro de obra' está parado e reúne escombros de um espaço que representava um importante ponto de comércio em Ponta Grossa. No local, o vereador conversou com trabalhadores que denunciaram a falta de pagamento da empresa Tekla, responsável pela construção de um novo Mercado Municipal.

"Viemos ver o que se passou com o Mercadão Municipal. Muita gente nos pergunta o que aconteceu com esse espaço", conta Ricardo. No local, Ricardo mostrou apenas escombros do antigo Mercado Municipal. "Para quem não sabe, essa obra é orçada em R$ 73 milhões e deveria ser entregue ainda esse ano, mas o que vemos aqui é que não haverá obra entregue", diz Zampieri.

Na visita a obra, Zampieri se encontrou com um trabalhador que prestava serviços a Tekla, empresa vencedora do edital e responsável pela construção do novo Mercadão. Ao saber que os empregados e outras empresas fornecedoras não receberam os devidos valores da Tekla, Zampieri questionou. "O que leva a Prefeitura a não efetivar as sanções e multas previstas contra a empresa?", pergunta Ricardo.

Segundo o vereador, o contrato de parceria público-privada prevê uma série de mecanismos de punição contra atrasos da empresa e mesmo o abandono da obra. "O contrato previu recursos de R$ 300 mil que deveriam ser pagos pela empresa só para cobrir possíveis prejuízos, mas a Prefeitura não chegou a recolher o recurso. Se contabilizarmos as multas que deveriam ser aplicadas, são mais de R$ 4 milhões", explica Ricardo.

O contrato previa que a primeira parte da obra deveria ser entregue em 2018, em um pavimento com espaço para a própria Prefeitura instalar órgãos públicos. "Além do prejuízo deixado aos trabalhadores e empresas, essa abandono do Mercadão também segue prejudicando os cofres públicos. Enquanto a obra não é retomada, o município segue gastando absurdos em alugueis de outros imóveis", explica Ricardo.

Nota da Prefeitura

Em nota, a Prefeitura Municipal de Ponta Grossa apontou os questionamentos de Zampieri.

"Desde o início, a Prefeitura Municipal de Ponta Grossa busca alternativas junto a empresa ganhadora do processo de concessão para viabilizar as obras do Mercado Municipal, inclusive com notificações emitidas por conta do andamento das obras. Neste período, a Tekla Engenharia apresentou um caução através de crédito financeiro, conforme previsto em contrato, mas que posteriormente não foi aceito pelo Município. 

Referente ao não pagamento para os colaboradores da empresa, como informado anteriormente, a Prefeitura de Ponta Grossa não tem relação com o contrato trabalhista e com fornecedores da empresa ganhadora do processo de concessão do Mercado Municipal". 

Com informações da assessoria de imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados