Pegaí comemora os 287 mil livros disponibilizados até 2019

Mix

11 de dezembro de 2019 16:50

Da Redação


Relacionadas

Crônicas dos Campos Gerais: “Remanescência”

Gastronomia brasileira é tema de passeio de trem no PR

Professor da UEPG lança livro sobre Código de Processo Civil

Artista de PG conquista novo prêmio internacional
Concerto online reúne artistas locais e internacionais
Tendência moda Verão 2021 aposta em conforto e modelagem
Crepúsculo em PG rende foto sensacional de igreja
Durante esse sábado (7) o Instituto também realizou sua última reunião do ano Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Durante esse sábado (7) o Instituto também realizou sua última reunião do ano

O último sábado (07) foi de comemoração para o Instituto Pegaí Leitura Grátis. Além de celebrar os mais de 287 mil livros disponibilizados até o fim de 2019, a confraternização, que aconteceu na APCEF (Associação do Pessoal da Caixa), em Ponta Grossa, marcou oficialmente o fim do calendário de eventos do ano de um jeito muito especial. Com uma programação diferenciada, idealizada pelo Grupo Gestor, o evento promoveu um momento de descontração, reconhecimento e união para aqueles que fazem o Pegaí acontecer: os voluntários.

As atrações envolveram e emocionaram os integrantes, que já estão animados com o ano que se aproxima. Para Cláudia Gomes Fonseca, que está desde outubro de 2017 na iniciativa, o dia foi um verdadeiro presente ao time de voluntários. “O evento foi incrível. A fotomontagem das participações individuais e coletivas foi um presente que representa a valorização constante do voluntário. Sem dúvida é um incentivo para continuarmos com o nosso trabalho. Neste dezembro, seguimos com a certeza de que 2020 será ainda mais produtivo”, destaca.

Na agenda do dia, o time participou de uma assembleia extraordinária com o objetivo de aprovar mudanças no estatuto do Instituto Pegaí Leitura Grátis; do lançamento de tiragem especial do livro “Como calar a boca de um dragão” de João Paulo Hergesel, que leva a marca Pegaí Leitura Grátis; e de um bate-papo com o escritor Saulo Adami, que apresentou o painel “Minha vida no Planeta dos Macacos”, retratando uma história inspiradora que reforça a importância de se ter foco e determinação para o alcance dos objetivos. O escritor, que já tem mais de 120 títulos publicados – muitos deles circulando pelas prateleiras do Pegaí – pode compartilhar um pouco mais da sua paixão com os participantes. “Voltei para a casa acompanhado do Troféu Semeador de Livros e das melhores lembranças desse encontro. Gratidão a essa equipe que se dedica diariamente a aproximar livros sem leitores de leitores sem livros”, destacou o escritor em seu perfil no Facebook.

Uma das experiências que mais chamaram a atenção dos voluntários foi o “Faça você mesmo”, onde cada um foi convidado a fazer a própria camiseta, com uma das estampas do projeto. “Foi uma ótima surpresa podermos fazer nossas camisetas. Eu amei! Estar reunida com todos os voluntários é sempre muito bom”, afirma a voluntária Roseli Nogueira. Os participantes destacaram, ainda, a ótima organização do evento. “Essa foi minha primeira confraternização e eu adorei participar. Agradeço ao Pegaí por todo cuidado que tem conosco e por sempre nos surpreender com novidades. É um orgulho fazer parte desse time”, garante Ana Carolina Bonatto, que viajou mais de 350 Kms para participar do evento, ela e o marido Emanuel moram em Pato Branco PR e cuidam da estante do Pegai lá.

Para o integrante do Comitê Gestor, voluntário há mais de dois anos, Albino Szesz Junior, o Pegaí promove desenvolvimento tanto sob o aspecto profissional quanto pessoal. “Eu sempre gostei de ajudar os outros e no projeto eu encontrei uma forma organizada de fazer isso, que é uma missão de vida para mim. A grande sacada do Pegaí é permitir que as pessoas possam trabalhar naquilo que elas já sabem e podem fazer. É por isso que conseguimos reunir um grupo com perfis tão diferentes, mas que mantém em comum a paixão pelos livros”.

São cerca de 180 pessoas que, semanalmente, dedicam uma parte do seu tempo de forma voluntária em prol do projeto. E, segundo o coordenador Idomar Augusto Cerutti, os voluntários são as peças-chave para que o Pegaí continue a se desenvolver. “Nós só existimos porque podemos contar com o apoio, a dedicação e o trabalho incansável de um time que acredita no poder da democratização da leitura. O Pegaí é feito por voluntários! E, se estamos encerrando 2019 com muitos motivos para comemorar, isso se deve ao comprometimento de cada uma dessas pessoas que doam seu tempo e que estão determinadas a levar a nossa missão e o nosso nome cada vez mais longe”, conclui.

Com informações da Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados