PUBLICIDADE

Como se planejar e evitar exageros na Black Friday

Profissionais dão dicas e alertam: data com forte apelo comercial pode ser armadilha para consumidores que não sabem organizar as finanças

Pesquisa revela que 71% dos consumidores pretendem fazer compras na Black Friday 2022
Pesquisa revela que 71% dos consumidores pretendem fazer compras na Black Friday 2022 -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

A Black Friday – segunda principal data comercial no Brasil, atrás do Natal – terá um componente novo neste ano: a Copa do Mundo. Para os especialistas, a coincidência no calendário deve impulsionar as vendas e a estimativa é de que 13,9% dos brasileiros comprem pelo menos um item relacionado aos jogos durante a liquidação, marcada para o dia 25 de novembro.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Ipsos revela que 71% dos consumidores pretendem fazer compras na Black Friday 2022, uma alta de 16 pontos percentuais em relação a 2021. Só o e-commerce deve movimentar R$ 6 bilhões em negócios.

A questão é: como controlar os impulsos consumistas, evitar o endividamento e não cair em armadilhas de falsos descontos?  

O consultor em vendas e marketing digital, Sérgio Czajkowski Junior, explica que as pessoas, mesmo de forma irracional, buscam permanentemente maximizar seus resultados – e esse é um dos motivos pelos quais são atraídas pelas liquidações. “Quando as lojas oferecem algo que, aos olhos do cliente, é excessivamente bom, a chance de ele concretizar a compra é muito maior”, diz o professor de Gestão e Marketing do UniCuritiba – instituição que faz parte da Ânima Educação.

Na avaliação do especialista, o problema não está exatamente na compra por impulso. O ponto de atenção é a falta de recursos para arcar com as novas aquisições ou o chamado remorso pós-compra, quando o cliente se sente atraído, fecha o negócio e depois percebe que o produto não era necessário. 

Seja qual for o caso, a solução é o planejamento financeiro. “Para não ceder às compras por impulso, cair em armadilhas ou ficar suscetível em datas como a Black Friday, o ideal é que o consumidor destine uma verba, um percentual específico da renda, para as compras em grandes liquidações. Isso, é claro, se os preços e condições de pagamento forem vantajosos e o orçamento doméstico permitir”, ensina Sérgio.


Direito do consumidor

Conhecer os direitos do consumidor ajuda na hora das compras. O doutor em Direito Econômico e professor do programa de Mestrado e Doutorado do UniCuritiba, Sandro Mansur Gibran, lembra que existem diferenças nas regras do e-commerce.

A principal delas é o direito de arrependimento para compras feitas pela internet. A medida garante ao cliente a possibilidade de devolver a mercadoria no prazo de até sete dias a partir da data do recebimento. “Nesta situação, o cliente precisa comunicar o vendedor e fazer a devolução, sem custo, dentro do prazo definido pela lei.” 

Já nas compras em lojas físicas, onde o cliente tem acesso ao produto antes da aquisição, a regra não é válida. “Se o cliente viu ou testou a mercadoria, não pode mais alegar desconhecimento ou insatisfação com a qualidade, por exemplo.”

Outra diferença é no preço dos produtos. Nas lojas físicas o valor tende a ser maior do que no e-commerce. De acordo com o professor, isso ocorre porque as despesas para manter um ponto de venda presencial, como aluguel e salários, são bem maiores do que nas plataformas online. 


Não caia em cilada

Para fazer boas compras na Black Friday, Sandro Gibran recomenda muita pesquisa. Isso evita que o consumidor adquira produtos com preços superfaturados e descontos enganosos. “Antes mesmo de a Black Friday começar é importante verificar os preços do produto desejado e, depois, comparar se o desconto oferecido é efetivo. Sem isso, o consumidor corre o risco de se deixar levar pela empolgação, sem uma real vantagem.”

O especialista em Marketing, Sérgio Czajkowski Junior, explica que o comportamento do consumidor é dividido em duas grandes modalidades: compras de baixo envolvimento emocional – aquelas feitas para suprir necessidades básicas, como a alimentação – e compras de alto envolvimento emocional, como um vestido de formatura ou uma joia, por exemplo. “As necessidades fictícias tendem a surgir com mais intensidade quando há um vínculo simbólico maior, favorecendo o consumo por impulso.”

Outro problema das compras por ansiedade, capricho ou modismo é o impacto ambiental, complementa o professor Sandro. “Os nossos hábitos de consumo têm reflexos que vão além do financeiro. Será que o produto que tenho realmente não atende as minhas expectativas? É mesmo necessário trocá-lo? Reconheço os efeitos das baterias de celular no meio ambiente e o prejuízo do entulho eletrônico ao planeta?”


Endividamento

Se depois de muita pesquisa, reflexão e autoanálise, a compra for uma real necessidade, a dica é utilizar parte do 13º salário para este fim. Isso, é claro, se as contas estiverem em dia.

“Melhor do que usar o 13º para novas compras é pagar dívidas em atraso. A primeira providência é quitar os parcelamentos do cartão de crédito e o cheque especial, já que as taxas de juros costumam ser altas”, ensina o doutor em Direito Econômico. O professor dá outra sugestão: “A antecipação de pagamentos também pode ser vantajosa, já que normalmente o consumidor tem descontos nessas circunstâncias”.

Para o doutorando em Administração, professor Sérgio Czajkowski Junior, outra estratégia interessante é reservar parte do 13º para as despesas do início do ano, como material escolar, IPVA, IPTU e outros impostos. “Se no pagamento em parcela única, à vista, o contribuinte tiver desconto, melhor ainda.”

As informações são da assessoria de imprensa

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE