Defesa Civil levanta danos da passagem de ciclone em SC

Cotidiano

04 de julho de 2020 17:26

Agência Brasil


Relacionadas

Morre Walter Malieni, vice-presidente do Banco do Brasil

Brasil atinge a marca de 100 mil mortes por Covid

Vídeo mostra sequestradores usando refém como escudo

Morretes reabre para turistas, mas com entrada controlada
Fiocruz recebe R$ 100 milhões para produção de vacina
Motoboy é alvo de ofensas racistas; veja o vídeo
TCU avalia riscos de ações à educação durante pandemia
Mais de 1,5 milhão de consumidores ficaram sem luz devido ao ciclone Foto: Divulgação/Defesa Civil
PUBLICIDADE

Até agora, em Santa Catarina, foram contabilizados estragos em 3,2 mil moradias pelo ciclone bomba que atingiu o Sul do país na última terça-feira

O secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, coronel Alexandre Lucas, lidera uma equipe técnica que está auxiliando o governo de Santa Catarina no levantamento dos estragos causados pela passagem de um ciclone extratropical na região, na terça-feira (30).

"A recomendação do ministro Rogério Marinho [MDR] é exatamente que nós tomássemos conhecimento de toda a necessidade de recursos que o estado irá precisar. Para isso, é importante que haja o levantamento dos danos, a gente precisa que se conclua o levantamento dos danos", disse Lucas, durante coletiva de imprensa nesta sexta-feira (3), em Florianópolis. O estado catarinense foi o mais atingido, com pelo menos 152 municípios afetados. O Rio Grande do Sul, outro estado afetado, registrou danos em 19 cidades.

O fenômeno meteorológico, também conhecido como ciclone bomba, é formado por áreas de baixa pressão atmosférica, provocada pelo contraste entre massas de ar quente e frio. Entre os principais efeitos estão fortes tempestades e rajadas de vento, que podem atingir mais 100 km/h. Após cruzar a Região Sul do país de oeste a leste, o ciclone seguiu para o Oceano Atlântico. Segundo as autoridades locais, foram confirmadas 10 mortes em decorrência do ciclone.

Após o levantamento dos danos, o governo federal deverá liberar recursos, que serão usados para a reconstrução de áreas afetadas e para restabelecimento de infraestruturas essenciais. Em Santa Catarina, por exemplo, o ciclone afetou a distribuição de energia elétrica, deixando 1,5 milhão de consumidores sem luz, no maior dano elétrico já registrado no estado. Segundo o governo estadual, quase 94% do fornecimento já havia sido normalizado no início da tarde. Em muitas cidades, segundo o governo estadual, o sinal de telefone ou internet também chegou a ser interrompido.

Até agora, em Santa Catarina, foram contabilizados estragos em 3,2 mil moradias. No Rio Grande do Sul, segundo as autoridades, cerca mil pessoas e 800 residências foram afetadas durantes as chuvas. As autoridades da região informaram que estão sendo distribuídos kits de primeira necessidade, como cestas básicas, produtos de higiene pessoal, lona para cobertura de casas destelhadas e itens de limpeza.

Bolsonaro visita região

O presidente Jair Bolsonaro sobrevoou, hoje (4), áreas de Santa Catarina afetadas pelo ciclone bomba que atingiu a região Sul do Brasil na última terça-feira (30). Acompanhado pela vice-governadora Daniela Reinehr, por membros da equipe de governo e por parlamentares, o presidente usou um helicóptero da Força Aérea Brasileira (FAB) para verificar, do alto, os estragos na Grande Florianópolis, umas das regiões onde o fenômeno climática causou mortes e prejuízos econômicos.

Após o sobrevoo de cerca de 40 minutos, Bolsonaro se reuniu rapidamente com as autoridades locais.“Viemos a Santa Catarina para termos contato direto com o que realmente aconteceu com esse ciclone, trazendo desconforto e mortes para alguns dos nossos irmãos aqui de Santa Catarina. E dizer a todos que o nosso governo, em especial através do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), que tem a frente aqui o Rogério Marinho, estamos a disposição, para no que for possível, minorar o sofrimento daqueles que foram atingidos. Obviamente nos solidarizamos aos familiares daqueles que perderam suas vidas”, disse o presidente durante encontro.

PUBLICIDADE

Recomendados