Por que o seu bebê deve fazer o Teste do Pezinho?

Cotidiano

05 de junho de 2020 12:40

Da Redação


Relacionadas

Documento digital de veículos está disponível; saiba como usar

Novo ciclone chega ao Sul e causa chuva, ventania e granizo

Sesa confirma 2.380 novos casos e 34 mortes pela covid-19

Defesa Civil levanta danos da passagem de ciclone em SC
Mais de 70 mil imóveis seguem sem energia no Paraná
Mega-Sena sorteia R$ 27 milhões neste sábado
Governo destinará R$ 500 mi para proteger a Amazônia
A coleta de sangue é feita no calcanhar por ser uma região com muitos vasos sanguíneos e é praticamente indolor. Foto: Reprodução/Pixabay
PUBLICIDADE

Dia Nacional do Teste do Pezinho é comemorado em 06 de junho. Teste pode salvar vidas

Na data de 06 de junho se comemora o Dia Nacional do Teste do Pezinho e muitas mães podem não saber, mas uma simples ‘picadinha’ no pé do recém-nascido pode salvar a vida do bebê. O teste, feito a partir do sangue coletado do calcanhar, consegue identificar seis doenças: fenilcetonúria (enfermidade do metabolismo), hipotireoidismo congênito (incapacidade da glândula tireóide em produzir quantidades adequadas de hormônios tireoideanos), falciforme (dificuldades na circulação do sangue), fibrose cística (atinge principalmente os pulmões, pâncreas e o sistema digestivo), deficiência de biotinidase (enzima responsável pela absorção e regeneração orgânica da biotina, uma vitamina existente nos alimentos) e hiperplasia adrenal congênita (afeta o crescimento e o desenvolvimento normais de uma criança).

O pediatra no Super Dr. Saúde Integrada, em Ponta Grossa (Paraná), Celso Hartmann, explica que através do teste é possível detectar precocemente doenças na tentativa de tratar e garantir à criança um crescimento saudável. “São doenças progressivas que podem não se manifestar de imediato, mas se não forem detectadas e tratadas podem até levar à morte”, alerta.

Ele explica que o resultado positivo do teste não significa que o bebê tenha alguma doença, apenas que existe a necessidade de continuar a investigação para excluir ou confirmar o diagnóstico. “Se o resultado do exame está alterado, é muito importante seguir as recomendações do laboratório para que a suspeita de doença possa ser confirmada ou afastada por meio da repetição do exame”, observa.

A repetição, em caso de alteração, se faz necessária porque algumas substâncias presentes no organismo se elevam de forma temporária no sangue do bebê e podem, às vezes, interferir no resultado.

Outro fator que motiva a repetição dos exames é a qualidade da coleta do sangue no papel filtro. “Se a coleta do sangue não foi realizada adequadamente, o exame de laboratório fica prejudicado e outra coleta é solicitada”, pontua.

O que as futuras mamães precisam saber é que muitas doenças metabólicas são detectadas nos primeiros dias de vida porque o bebê não pode mais contar com a ‘ajuda fisiológica da mãe’ e assim compensar as deficiências do seu metabolismo.

Em se tratando de prematuros ou extremo baixo peso (inferior a 1,5 kg)  a segunda coleta de sangue torna-se imprescindível, justamente para afastar resultados falso normais.

Obrigatoriedade

O Teste do Pezinho foi introduzido no Brasil na década de 70, porém desde 1992 se tornou obrigatório em todo o País. Em 2001 o Ministério da Saúde criou o Programa Nacional de Triagem Neonatal.

A coleta de sangue é feita no calcanhar por ser uma região com muitos vasos sanguíneos e é praticamente indolor. O resultado do teste fica pronto geralmente entre 10 e 15 dias.

Informações Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados