Estado procura acordos de leniência com pedágio

Cotidiano

17 de outubro de 2019 16:04

Da Redação


Relacionadas

EAD ganha impulso com a suspensão das aulas

Curitiba reforça limpeza dos 22 terminais de ônibus

Paulo Guedes diz que, como cidadão, prefere isolamento

Aniversário de Curitiba tem soar de sinos e oração pelo fim da pandemia
Sobe para 152 o número de infectados pelo coronavírus no Paraná
Ônibus fica destruído após bater contra poste em Curitiba
Bolsonaro contraria Ministério da Saúde e faz tour pelas ruas
Estado pretende abrir nova licitação. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Os contratos com as concessionárias se encerram em 2021 quando o Estado pretende abrir nova licitação.

O deputado Romanelli (PSB) disse nesta quinta-feira, 17, que os dois novos processos instaurados pela Controladoria-Geral do Estado (CGE) contra as concessionárias de pedágio apontam para a revisão dos acordos de leniência feitos pelo MPF (Ministério Público Federal). "O Estado não anuiu (aprovou) os acordos feitos pelo MPF e o pedágio. Eles são lesivos, contrários ao interesse público, e atendem, principalmente, os interesses das concessionárias", reafirmou Romanelli.

"Outra notícia boa é de o Estado estuda medidas para impedir as empresas, exploradas do pedágio, de participar das próximas licitações. E não devem participar mesmo. Destaco ainda o trabalho pela CGE e a PGE", completa Romanelli. Os contratos com as concessionárias se encerram em 2021 quando o Estado pretende abrir nova licitação para pedagiar 4,1 quilômetros de rodovias federais e estaduais.

Ainda nesta quinta-feira, a Agência Estadual de Notícias adiantou que a CGE instaurou mais dois processos administrativos contra concessionárias Ecovia, Ecocataratas e Rodonorte - empresas que já reconheceram a prática de atos de corrupção. A controladoria também estuda medidas para impedi-las, até a apuração de responsabilidades, de assinar contratos com a administração pública.

Atos lesivos - “Embora tenham celebrado acordo de leniência com o Ministério Público Federal, onde reconheceram a prática de atos lesivos à administração pública, as empresas não comunicaram os termos do acordo à CGE, descumprindo, assim, cláusula proposta no próprio acordo de leniência do Ministério Público Federal”, afirmou o controlador-geral Raul Siqueira.

Siqueira explicou que o acordo celebrado com o MPF não impede que o Estado faça a investigação e a definição de responsabilidades em desfavor das concessionárias. A CGE entende que, possivelmente, os valores dos acordos de leniência firmados com o MPF são inferiores aos efetivamente devidos. “Está sendo realizado um estudo, com outros órgãos, agências reguladoras, enfim, um levantamento de todo o Estado, com o objetivo de se apurar o justo e correto valor eventualmente desviado dos cofres públicos. Vamos apurar o mais importante: o dano à população” afirmou o controlador-geral do Estado.

O diretor da CGE, Daniel Berno, disse que podem ser adotadas medidas que se disponham a impedir que novas contratações gerem prejuízo aos cofres públicos e garantam o ressarcimento dos valores desviados por corrupção e improbidade administrativa. “Os acordos de leniência trazem benefícios e vantagens tanto para as empresas quanto para o Estado do Paraná, e podem ser propostos a qualquer momento, independentemente de ter em aberto processos administrativos de responsabilização ou não”, acrescentou Berno.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização