Oferta aRedeShopping
Eventos cancelados deixam de movimentar R$ 300 mi na região

Campos Gerais

21 de maio de 2020 20:45

Fernando Rogala


Relacionadas

Hospital de Telêmaco Borba recebe primeiro paciente em UTI

Batida entre caminhonete e carro deixa um morto na região

Polícia investiga empresa que fraudou licitação em Castro

Polícia encontra armas na casa de suspeito de abuso
Jaguariaíva abre PSS para ampliar fiscalização sanitária
PRF encontra maconha em carro falso de Ministério
Arrecadação de ICMS cai quase 14% na região em maio
O Agroleite é o principal evento da região, que não será realizado em 2020 Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Inúmeros eventos previstos para este ano, especialmente os relacionados ao agronegócio, foram cancelados, devido ao coronavírus 


O setor de turismo de negócios e eventos contabiliza uma perda multimilionária neste ano de 2020, devido ao coronavírus. A pandemia mundial ocasionou o cancelamento de inúmeros eventos em Ponta Grossa e outros eventos da região, especialmente os agropecuários, que movimentam grande quantia financeira e registram elevada circulação de pessoas. Um levantamento divulgado pelo Ponta Grossa Campos Gerais Convention & Visitors Bureau (PGCG CVB) mostra que os prejuízos para o setor são estimados em R$ 300 milhões.

Em entrevista ao vivo ao Portal aRede, na tarde desta quinta-feira, Henrique David Plattek, Diretor do Convention, e Daniel Wagner, Presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares dos Campos Gerais, detalharam o impacto desses cancelamentos. “O maior nome que temos em cancelamento é o Agroleite. Quando o Agroleite acontece, lota todos os hotéis, de toda a região, e todo esse fluxo financeiro acaba parando”, resume. 

Pela importância do evento, Daniel Wagner classifica o Agroleite, para o setor hoteleiro, como o equivalente ao Natal para o comércio. “É um evento internacional emblemático. E nós vamos ficar sem esse evento nesse ano. O turismo é deslocamento de PIB, em que as pessoas gastam dinheiro, fazendo aporte na nossa economia. Os turistas conjugam os quatro verbos: comer, dormir, comprar e visitar; eles geram empregos, incremento nas empresas das redondezas e tudo isso está deixando de acontecer”, reforça. 

Somente em 2019, o Agroleite movimentou quase R$ 80 milhões, atraindo 75 mil pessoas ao Parque de Exposições Dario Macedo, em Castro. Porém, Plattek ressalta que não é apenas esse valor que deixou de ser movimentado por este evento. “E tem outros eventos também menores; cada evento cancelado tem um fluxo que não passa mais pela cidade, seja em restaurantes, serviços - até o abastecimento de combustível deixa de ser feito. Por isso os impactos são tão grandes. Diferente do comércio, que consegue retomar antes, o evento grande, quando cancelado, não consegue ser ‘descancelado’; ele não consegue voltar atrás, porque existe preparação grande”, diz. 

Além do Agroleite, eventos como o Expoleite, Feira Paraná (e consequentemente a Efapi), Münchenfest foram cancelados, e a Expofrísia, que aconteceria em abril, foi suspensa. Mas há inúmeros outros eventos, universitários, sindicais, de entidades e de setores específicos cancelados. Esses eventos menores nem sempre tem a estrutura necessária para terem continuidade, e o Convention Bureau busca auxiliar a manutenção deles. “Estamos fazendo um levantamento porque os eventos precisam de uma força para continuidade, porque eles nem sempre conseguem se reerguer com facilidade. É algo que as pessoas esperam todo ano, e às vezes quando interrompe um ano, é difícil voltar. Vamos querer auxilio de quem for, tanto intuições provadas quanto públicas, pra não deixar esses eventos morrerem - pelo menos para o ano que vem”, conclui Plattek.


Eventos de negócios podem ser realizados

De acordo com Daniel Wagner, o impacto no turismo de lazer na região só não será maior pelo fato de que não houve um grande incremento turístico com a concessão de Vila Velha, como poderia ocorrer a partir dos próximos meses. “Não tínhamos isso funcionando forte, então como iria começar, não chegou a cair ou reduzir. Vejo desespero em outros destinos do Brasil, acostumados com atendimento a estrangeiros, que vão demorar muitos meses para retornar”, diz. Já quanto ao turismo de negócios, que está zerado no momento Wagner explica que é possível realizar eventos. “O decreto municipal fala de eventos acima de 20 pessoas. Ou seja: abaixo disso podem ser feitos, tomando todos os cuidados, com espaçamento, higienizando, com álcool em gel e máscaras, é possível fazer, para que a economia de eventos ser retomada”.

PUBLICIDADE

Recomendados