PG e região recebem R$ 50 milhões em ICMS em janeiro

Campos Gerais

18 de fevereiro de 2020 21:32

Afonso Verner


Relacionadas

Carambeí prorroga estado de emergência

Telêmaco identifica 30 casos suspeitos de coronavírus

PG e Castro recebem cinco toneladas de alimentos doados pelo MST

Pescador encontra corpo boiando no Rio Tibagi
Prefeito de Tibagi se reúne com empresários sobre a covid-19
Polícia flagra dupla com mais de meio quilo de drogas
Jaguariaíva suspende aulas na rede municipal até o fim de abril
Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Dados divulgados pela Delegacia da Receita Estadual trazem mostram arrecadação e recebimento do tributo

A Delegacia Regional da Receita Estadual do Paraná divulgou nesta terça-feira (18) dados sobre a arrecadação de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) nos Campos Gerais. Os números mostram que 22 municípios da região abrangidos pela Delegacia Regional (incluindo Sapopema) receberam juntos mais de R$ 50 milhões em repasses do ICMS apenas em janeiro - ao mesmo tempo, a arrecadação de ICMS nos 22 municípios foi de R$ 228 milhões.

Na prática, o ICMS é um dos impostos mais importantes para compor o ‘bolo orçamentário’ dos municípios. Segundo os dados da Receita Estadual, Ponta Grossa lidera tanto a arrecadação como o recebimento do repasse do imposto. Em janeiro, PG arrecadou R$ 145 milhões em ICMS e recebeu cerca de R$ 12 milhões. Em segundo lugar, aparece Castro que arrecadou R$ 10 milhões no período e recebeu cerca de R$ 5,9 milhões de repasses do imposto. 

O terceiro município com maior arrecadação na região é Telêmaco Borba com cerca de R$ 4,8 milhões, arrecadando cerca de R$ 7 milhões no mesmo período. Já Ortigueira é o quarto município com a maior arrecadação em ICMS da região dos Campos Gerais - o município arrecadou mais de R$ 9 milhões em janeiro e recebeu R$ 4,6 milhões do imposto no mesmo mês. Por fim, Carambeí arrecadou cerca de R$ 4 milhões de ICMS no período e recebeu cerca de R$  2,7 milhões. 

Palmeira apareceu como o sexto município com maior repasse do ICMS em janeiro, recebendo um aporte de R$ 2,3 milhões oriundo do imposto e arrecadando cerca de R$ 5,1 milhão no mesmo período. Conhecida pela atividade no setor turístico, Tibagi é o sétimo município com maior repasse no período, tende recebido R$ 2,1 milhão em janeiro e tendo arrecadado R$ 450 mil no mesmo período.

De acordo com Juca Sloboda, presidente da Associação dos Municípios dos Campos Gerais (AMCG), o ICMS figura como um importante recursos para as cidades da região. “Em alguns municípios, esse valor [repasse do ICMS] é fundamental para pagar a folha do funcionalismo e também para que as Prefeituras honrem com seus diferentes compromissos”, contou o presidente que também é prefeito de Jaguariaíva. 

O repasse do ICMS aos municípios leva em conta diversos fatores. Em resumo, de todo o valor arrecadado pela Receita Estadual no Paraná, 25% retorna para os municípios paranaenses. Porém, não é um retorno proporcional ao valor arrecadado em cada município: o estado criou um índice válido para todo o estado para beneficiar as cidades menores, menos desenvolvidas. O índice é composto por diversos fatores, como o valor adicionado (indústria, comércio, etc), população rural, área, fator ambiental, produção agrícola, entre outros – além do índice da distribuição igualitária.

Imposto importante para compor o orçamento

O ICMS é um imposto importantíssimo para a composição do orçamento dos municípios, especialmente das cidades menores. Com recursos menores oriundos de outros tributos, como é o caso do IPTU e do IPVA, as cidades menores contam com o repasse do ICMS para “equilibrar” as finanças. Diante da crise financeira e da diminuição da arrecadação nos municípios, o repasse do ICMS ganhou ainda mais importância para as pequenas cidades da região.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização