Produção de soja na região deverá ser a maior da história

Agronegócio

16 de março de 2020 21:17

Fernando Rogala


Relacionadas

Região produzirá 3,3 mi de toneladas na safra de verão

Paraná deverá produzir 41,2 milhões de toneladas de grãos

Agricultura familiar sustenta programas sociais no Paraná

CNA orienta produtores sobre o coronavírus pelo Whatsapp
Castrolanda tem novo Diretor Executivo
Agronegócio é responsável por 33,9% do PIB paranaense
Produção de soja na região deverá ser a maior da história
Foto: Divulgação/AEN
PUBLICIDADE

Média de produtividade nos Campos Gerais supera a marca de 4 mil quilos por hectare nesta safra 2019/2020 


A região dos Campos Gerais caminha para registrar uma colheita recorde de soja, com o maior rendimento médio por hectare da história. Os trabalhos no campo desta safra 2019/2020 estão avançados, no pico da colheita: entre 40% e 45% de toda soja plantada já foi retirada do campo, e o restante será colhida dentro de um mês. Estatísticas reveladas pelo núcleo regional do Departamento de Economia Rural (Deral), de acordo com levantamentos realizados nas últimas semanas, apontam que a média na região está na casa de 4 mil quilos por hectare, variando até os 4,1 mil quilos. O maior rendimento já registrado na região foi de 3.964 quilos, na safra 2016/2017.

O alto rendimento, afirma o economista do Deral na região, Luiz Alberto Vantroba, ocorre especialmente em função do clima favorável registrado durante o ciclo, entre o último trimestre de 2019 e o primeiro trimestre deste ano. “Até agora o rendimento vem sendo bom, um pouco acima do esperado. A maior parte dos produtores plantou entre 15 de outubro e 15 de novembro”, diz.

Caso a média continue, o total colhido na região, em área de 560 mil hectares, deverá superar  2,2 milhões de toneladas. Em volume total produzido, até o momento o maior valor da história na região foi de 2,13 milhões de toneladas, na safra de 2017/18, em área plantada de 573,4 mil hectares. No ano passado, o total colhido foi de 2,01 milhões de toneladas.

Contudo, o clima seco das últimas semanas pode afetar a produção, reduzindo a média com o avançar da colheita. “A falta de chuva está afetando as áreas mais tardias. Como estamos há 20 dias sem ocorrência de chuvas, isso está prejudicando o final da formação de grão de algumas áreas plantadas mais tarde, que pode afetar a produção. Houve maturação no seco”, explicou Vantroba. Segundo ele, em alguns casos o grão está partindo no campo, devido à seca. Neste caso, a perda pode chegar a 20% no rendimento – porém corresponde a uma pequena parcela da safra, cerca de 10%. “Mas no geral a safra está boa. Resta mais de 50% para colher, mas ainda assim, talvez tenhamos o maior rendimento”, reconhece.


Milho apresenta alto rendimento

Da mesma forma que a soja, o milho apresenta boas condições no campo. A estimativa do milho de primeira safra era de um rendimento de 10 mil quilos por hectare, mas esse valor subiu, entre 10,5 mil e 11 mil quilos. Cerca de 90% de toda a safra já está colhida na região. “Porém, é a mesma história da soja. Quem fez o plantio tardio está com problemas de umidade. A umidade deveria estar com 22% a 23%, mas está entrando com 17% ou 18%, partindo o grão. Mas é um pequeno percentual”, reforça Vantroba.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização