PUBLICIDADE

Daniel Milla rebate nota direcionada contra ele: "Venham me prender"

Na última sexta-feira (11), o vereador e presidente da Câmara Municipal foi alvo de uma nota de repúdio assinada por quatro partidos

Daniel Milla Fraccaro, presidente da Câmara Municipal de Ponta Grossa.
Daniel Milla Fraccaro, presidente da Câmara Municipal de Ponta Grossa. -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

O presidente da Câmara Municipal, Daniel Milla (PSD), utilizou a tribuna da Casa de Leis Ponta-grossense, nesta segunda-feira (14), para rebater uma nota de repúdio que foi direcionada contra ele na última semana. A nota em questão foi assinada pelos diretórios do PT, PV, PCdoB e Psol de Ponta Grossa, mas o vereador Geraldo Stocco, líder do Partido Verde na cidade, afirmou que ninguém da sigla participou da produção ou da assinatura do texto.

A nota critica o posicionamento do vereador em um vídeo publicado por ele nas redes sociais. O texto afirma ainda que Milla deve apresentar provas das acusações feitas contra o Ministro Alexandre de Moraes no vídeo, pois em caso contrário o vereador pode ser indiciado pelo crime de calúnia. 

"Raramente subo aqui nesta tribuna. Como presidente desta casa eu evito dar opiniões para não me interpretarem mal. Sempre tento manter uma imparcialidade para não tendenciar para nenhum lado político. Tento ser o mais correto possível. Diante do que está acontecendo em nosso país, acabei colocando o meu posicionamento como político, como cidadão e principalmente pela família a qual represento", afirmou Milla no início do seu discurso. 

Em seguida, o vereador explicou o motivo das críticas direcionadas por ele ao Ministro Alexandre de Moraes. "Vou trazer aqui um ponto somente. Por que o ministro impediu as investigações das pesquisas eleitorais? Aqui na Câmara, durante todo o processo dos três mandatos que estou, nunca votei contra a abertura de CPI e SEI. Porque a investigação deve ocorrer. Não posso me posicionar", disse.

Segundo ele, o país vive um momento de censura e é necessário se posicionar contra esse movimento. Na nota, o texto afirma ainda que o parlamentar poderia ser preso caso não apresentasse provas das acusações contra Alexandre de Moraes. "A pior das partes que mostra a censura é quando eles imputam crime da minha parte nessa nota. Vou falar uma coisa aqui pra esquerda: Venham me prender. Quero ver quem tem coragem. A ditadura começa na esquerda, porque nem subiram a rampa e já estão dando voz de prisão. Várias pessoas disseram que tinham que entrar com denúncia, então cassem o meu mandato, quero ver se vocês têm coragem. A partir de hoje, vocês verão outro posicionamento do vereador Daniel Milla. Não vou mais aceitar essas difamações por parte da esquerda", completou. 

O posicionamento de Milla foi apoiado por outros vereadores da Câmara de Ponta Grossa, como Paulo Balansin (PSD) e Leandro Bianco (Republicanos). Manifestantes que estavam presentes acompanhando a sessão também apoiaram e aplaudiram o discurso. 

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE