Contabilista Albarí de Paula Quadros morre aos 79 anos

Ponta Grossa

04 de julho de 2020 08:51

Da Redação


Relacionadas

Comércio de PG tem menor queda de vendas do PR

Zampieri questiona sobre contrato de terceirização da UPA

Começa hoje o Congresso Internacional de Direito Processual

Vinicius encaminha homenagem à gestão de parque
PG registra novo óbito por Covid e total chega em 15
Cescage terá debates importantes no Ciclo da Ciência
Sandro notifica Ecovia sobre tragédia na BR-277
Albarí estava internado no Hospital Bom Jesus e morreu na madrugada deste sábado Foto: Reprodução/Facebook
PUBLICIDADE

Famoso tanto por sua atuação profissional quanto pelo trabalho na Igreja, Albarí morreu na madrugada deste sábado

A cidade de Ponta Grossa se despede neste sábado (4) de mais um ilustre morador que ajudou no desenvolvimento do município com seu trabalho e sua dedicação à comunidade evangélica. Albarí de Paula Quadros morreu nesta madrugada aos 79 anos de idade. Fundador do Planorga Centro Contábil, um dos maiores escritórios de contabilidade do município, Albarí estava internado no Hospital Bom Jesus. A causa da morte ainda não foi divulgada.

De acordo com o Serviço Funerário Municipal, o velório de Albarí acontece na capela do cemitério Parque Campos Gerais e o sepultamento está agendado para as 10h deste sábado no cemitério Santo Antônio. Ele era casado e ele deixa seis filhos.

Desde que a comunidade ponta-grossense foi informada sobre a morte do contabilista, centenas de mensagens de carinho e apoio à família foram postadas nas redes sociais. Além disso Albarí recebeu homenagens de familiares. Uma de suas filhas, Noemi de Paula Quadros, postou um emocionante texto de despedida, retratando com amor a importância de seu pai no ambiente familiar, no profissional e também com sua atuação como ancião na Congregação Cristã do Brasil. Leia abaixo:

Primeiramente um homem temente a Deus, fiel e incansável no seu ministério na Congregação Cristã do Brasil, aonde tinha todo  amor, respeito e dedicação pela obra de Deus, nada, nem muitas vezes as dores pela enfermidade do reumatismo que não  eram poucas o impediam de cumprir com seus compromissos na igreja, meu pai viveu sua vida a partir dos 18 anos para a igreja sua família  e o trabalho. Homem simples, íntegro, prezava pelo correto, pela verdade, pela fidelidade incondicional a Deus e a família aos negócios. Honrou e amou minha mãe por 54 anos até o dia que ela se foi, e continuou honrando quando casou-se com a querida irmã Maria, uma pessoa especial em nossa vida e que com amor e zelo cuidou do meu pai. Somos uma família de verdade graças a dedicação e seus conselhos de que união e temor a Deus é o que fortifica uma família. Não temos como agradecer a Deus pelo privilégio de termos tido esse homem como nosso patriarca. Meu pai teve uma vida plena, fidelidade a Deus a família de sangue e da família de fé os irmãos em Cristo e abençoado em seu trabalho nos deixando um legado maravilhoso de exemplo de FÉ de amor de integridade.  Ao nosso querido e muito amado pai nosso amor e gratidão eterna.

PUBLICIDADE

Recomendados