Família denuncia agressões em restaurante de PG

Ponta Grossa

30 de junho de 2020 11:33

Da Redação


Relacionadas

Comércio de PG tem menor queda de vendas do PR

Zampieri questiona sobre contrato de terceirização da UPA

Começa hoje o Congresso Internacional de Direito Processual

Vinicius encaminha homenagem à gestão de parque
PG registra novo óbito por Covid e total chega em 15
Cescage terá debates importantes no Ciclo da Ciência
Sandro notifica Ecovia sobre tragédia na BR-277
Maria Luiza Fagundes usou as redes sociais para denunciar os fatos Foto: Reprodução Facebook
PUBLICIDADE

Caso aconteceu no restaurante Villa Família Mikulis. Polícia registrou ocorrência para instauração de inquérito. Funcionário de restaurante apresenta alegações

A história que está repercutindo nas redes sociais, veio à tona após a jovem Maria Luiza Fagundes, publicar em seu perfil no Facebook, um vídeo onde relata a forma trágica que terminou o jantar da família na última sexta (26). De acordo com Maria, ela e mais quatro familiares, foram até o renomado restaurante Villa Família Mikulis para jantarem, mas o programam terminou em uma grande confusão.

No vídeo que já teve mais 1,5 mil compartilhamentos e centenas comentários, Maria Luiza conta que o alvoroço teve início quando seu irmão, de 17 anos, confidenciou a um garçom que tinha havia sido infectado pelo coronavírus. A partir daí a situação ficou fora de controle, com agressões verbais e até físicas, partindo, segundo a jovem, de um dos funcionários do estabelecimento.

Neste vídeo de aproximadamente 12 minutos, Maria Luiza diz que os policiais chegaram, pegaram os nomes deles e os levaram à delegacia (13ª SDP). “Eu, meus pais, irmão e primo fomos no carro da minha mãe, enquanto meu tio ficou no hotel, e chegamos lá antes das viaturas, sendo que pouco depois estas chegaram. Lá ficamos das 22:50 (quase 23hrs) até as 1:30 da manhã, foi feito boletim de ocorrência registrando as três agressões em meu pai, irmão e primo. Nesse meio tempo o advogado da empresa chegou e conversou conosco, saindo e voltando da sala onde estávamos minha família e 2 policiais, para ver os proprietários que nos agrediram e humilharam, que estavam na outra sala. Fomos liberados para sermos ouvidos posteriormente, levando em consideração a pandemia que compromete o número do pessoal”., diz.

Veja vídeo publicado por Maria Luiza em rede social

PUBLICIDADE

Recomendados