Câmara de Ivaí começa processo para cassar Kiko Lobacz

Ponta Grossa

19 de fevereiro de 2020 16:52

Afonso Verner


Relacionadas

Aeroporto Sant’Ana e Ambev doam álcool para instituições

Rangel pode tornar uso de máscaras obrigatório em PG

Paróquias usam da criatividade para oferecer confissões

Comando da PM afasta policiais com sintomas de gripe
UEPG oferta curso online gratuito visando o bem-estar social
Empório Peixe Boi oferece promoções especiais para a Semana Santa
Lacta oferece delivery grátis em PG para a Páscoa
Kiko segue foragido da Justiça Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Vereador é procurado da Justiça pelo crime de homicídio. Processo deve ser votado até março

A Câmara Municipal de Ivaí, município na região dos Campos Gerais, oficializou o pedido de cassação do vereador Luisir Lobacz, o Kiko. O parlamentar é apontado como principal suspeito de esfaquear e matar o empresário Everaldo Manfron - o crime foi registrado no dia 25 de janeiro e acabou sendo flagrado por câmeras de segurança. A expectativa é que o processo seja levado ao plenário até o final de março.

Kiko teve o mandado de prisão preventiva expedido pelo Poder Judiciário e é considerado como foragido. O vereador compunha a mesa diretora da Câmara e foi o mais votado na eleição de 2016 - na época ele era filiado ao MDB. Segundo o presidente da Câmara, o vereador João Schastai (PSDB), o pedido respeitará todos os procedimentos previstos no regimento interno do Legislativo. 

Nesta segunda-feira (17), a denúncia da Mesa Executiva da Câmara contra Kiko foi lida - o documento pede a cassação do mandato do vereador por quebra do decoro parlamentar. Além disso, os vereadores apresentaram um decreto legislativo que revoga a licença de Lobacz do Legislativo - a revogação da licença foi necessária para tornar o processo de cassação mais rápido. 

O regimento da Câmara de Ivaí prevê que os prazos do pedido de cassação só começariam a correr quando Kiko retomasse o cargo, por isso os vereadores optaram por cassar a licença do vereador. Em seguida, a comissão processante tem cinco dias para notificar a defesa de Kiko e, após a notificação, os advogados do vereador tem 10 dias para apresentar a defesa do parlamentar.

A comissão que analisa o pedido de cassação do mandato é composta pelos vereadores Claudio Hyeda (PSDB), Divoney Vaz e João Ivo Conrado (ambos do DEM). A reportagem entrou em contato com o advogado Fernando Madureira, responsável pela defesa de Kiko, que informou ainda não ter sido notificado oficialmente da decisão da Câmara. Segundo Madureiro, Kiko segue em estado profundo de depressão e assim que apresentar melhoras deve se apresentar à justiça. 

Volta do salário

Com Kiko novamente no cargo, o vereador volta a receber o salário líquido de R$ 3970,00 do posto. No entanto, como está foragido da Justiça, a expectativa é que o vereador não compareça às sessões e, por isso, deva receber uma multa de R$ 480 por cada falta. Além disso, Kiko tem descontos do salário determinados por ordem judicial. 

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização