Justiça ouve jovem espancada pelo ex-marido em PG

Ponta Grossa

13 de fevereiro de 2020 15:29

Afonso Verner


Relacionadas

Empresas destacam cuidados ao retomar atividades

Professor Edson defende conquistas históricas do PT

Pietro e Aliel recebem pais de alunos do colégio Sesi de PG

Conselho divulga carta contra mudança no prédio da Estação Paraná
Fundação de Saúde registra 65 novos casos de Covid
Pequena Letícia precisa de ajuda para sobreviver
Congresso Internacional debate Sociedade de Risco
Fran sofreu uma série de sequelas após o AVC Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Franciele Gonçalves foi agredida pelo ex-companheiro em novembro do ano passado. João Carlos dos Santos está preso

O Poder Judiciário inicia o julgamento de João Carlos dos Santos nesta quarta-feira (12). O rapaz foi acusado pelo Ministério Público (MP-PR) por tentativa de homicídio com duas qualificadoras por meio cruel e por feminicídio. De acordo com a denúncia do MP, João tentou matar a ex-namorada, Franciele Cristina Gonçalves, no dia 3 de novembro do ano passado. A jovem sobreviveu, mas sofreu uma série de danos causados por um acidente vascular cerebral (AVC). 

De acordo com o advogado Fernando Madureira, representante da Franciele e assistente de acusação do Ministério Público, a audiência serviu para que a vítima e testemunhas da acusação fossem ouvidas. “A Franciele ficou com sérios problemas de locomoção, com o lado esquerdo do corpo paralisado e ainda terá que fazer mais uma cirurgia”, contou Madureira. “Esse crime bárbaro não pode ficar impune”, disse Fernando.

Entre as testemunhas de acusação ouvidas estão a mãe de Franciele e uma prima da garota que foi a primeira pessoa a resgatá-la. O agressor e a vítima foram por oito anos e estavam separados há um ano e seis meses. Já o advogado responsável pela defesa de João, Arauna Antenor Rodrigues, destacou que esse é o momento do rapaz apresentar a versão dele sobre os fatos - João está preso no Hildebrando de Souza

Araúna destacou que o julgamento será a oportunidade de “contraditar” a versão sobre o caso. Antenor sustenta a tese de que não houve agressão da parte do réu, mas sim uma discussão entre João e Franciele, seguida de empurra-empurra. A defesa diz que a jovem teria caído e batido a cabeça, causando o AVC. 

Já sobre a presença de gasolina na cena, Araúna informou que João teria caído de moto e, por isso, suas roupas estavam encharcadas de gasolina que vazou do veículo após o acidente. Essas informações sobre o caso já teriam sido apresentadas pelo próprio João Carlos no depoimento prestado à Polícia Civil.

Uma próxima audiência será marcada, desta vez para que João seja ouvido e também para que as testemunhas de defesa sejam sabatinadas. Após testemunhas de acusação e defesa serem ouvidas, a magistrada responsável pelo caso vai decidir se João vai à Júri Popular ou não.

O crime

O crime foi cometido na rua Lambari, na região do Cará-Cará. Segundo a denúncia, João desferiu chutes na cabeça e teria jogado gasolina no corpo da garota. Os golpes desferidos pelo rapaz causaram graves lesões corporais na vítima. A investigação apontou ainda que o rapaz teria jogado gasolina no corpo de Franciele, “causando dor e sofrimento exacerbados”, como descreve a denúncia. A afirmação é questionada pela defesa do réu.

PUBLICIDADE

Recomendados