PG registra caso suspeito de Coronavírus

Ponta Grossa

10 de fevereiro de 2020 18:58

Da Redação


Relacionadas

Idosa é vítima de golpe e entrega cartão para bandido

Carro e caminhão de gás batem em cruzamento no centro

Cai em 12,9% a emissão de seguro-desemprego em PG

Rafael Freitas destaca benefícios da fisioterapia
Indústria deverá puxar a retomada da economia de PG
‘Cultura’ propõe uso compartilhado da Estação Paraná
Aliel tenta evitar fechamento do Colégio Sesi em PG
Dado foi confirmado pelo Ministério de Saúde. Paciente esteve no fim de janeiro no sul da China Foto: Gustavo Frasão / ASCOM MS
PUBLICIDADE

Dado foi confirmado pelo Ministério de Saúde. Paciente esteve no fim de janeiro no sul da China

Um menino de 7 anos, morador de Ponta Grossa, é tido como um paciente suspeito de Coronavírus. Ele esteve no Sul da China, em Taishan, Guangdong, no fim de janeiro. Segundo informações da Secretaria de Saúde do Paraná (Sesa), a criança retornou ao Brasil no dia 30 de janeiro, e procurou atendimento hospitalar no dia 6 de fevereiro, com sintomas de quadro respiratório leve.

As medidas preventivas e de bloqueio foram adotadas pelo Prefeitura. Enquanto se aguarda a análise das amostras, a criança está sendo monitorada em casa. O Paraná já teve dois casos suspeitos do coronavírus descartados. O Ministério da Saúde atualizou nesta segunda-feira (10) as informações repassadas pelas Secretarias Estaduais de Saúde sobre a situação dos casos suspeitos no Brasil. O número reduziu em quatro casos em relação ao informe anterior.

Atualmente, sete notificações se enquadram na atual definição de caso suspeito para nCoV-2019: Minas Gerais (1), Rio de Janeiro (1), São Paulo (3), Paraná (1) e o Grande do Sul (1). O Brasil permanece sem registro do novo coronavírus.

O número de casos descartados aumentou para 32, quatro a mais do que o boletim divulgado no domingo (9). Segundo o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Oliveira, a idade média dos suspeitos é de 30 anos e os sete casos são de pessoas que viajaram para a China, mas não para a região de Wuhan, local onde eclodiu a epidemia da enfermidade.

Com informações do RIC Mais.

PUBLICIDADE

Recomendados