Paróquia Santo Antônio celebra 50 anos do grupo de jovens

Ponta Grossa

28 de janeiro de 2020 12:20

Da Redação


Relacionadas

Câmara de PG vota hoje projeto da 'transparência da Sanepar'

UEPG firma convênio internacional com universidade

Copiosa Redenção recebe doação de projeto

HCorBJ amplia recursos para tratar do coronavírus
SindServ fará sabatinas com candidatos à Prefeitura
Curto-circuito em postes assusta moradores
Projeto da UEPG vai acompanhar hipertensos
A benção do Papa João Paulo II recebida pelo grupo em 1982 Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Festa realizada no último domingo (26), reuniu duas gerações: a de 1970 e a atual

Os 50 anos Grupo de Jovens Amizade, da Paróquia Santo Antônio, em Ponta Grossa, foi festejado em grande estilo no último domingo (26). Celebração de Santa Missa pelo bispo dom Sergio Arthur Braschi, homenagens, adoração, almoço, apresentação cultural e muita música com o dj Alan Nunes animaram a programação, que uniu as gerações dos anos 70, quando o grupo foi criado, e os atuais integrantes. Durante a festa, houve a apresentação da bênção apostólica do Papa João Paulo II, de 1982, que foi moldurada e transformada em quadro.

No quadro, o Papa diz conceder a bênção, de todo o coração, ‘penhor de graças e favores celebrativo aos membros do Clube da Amizade da Paróquia Santo Antônio’. Para marcar o jubileu, no final da missa, foi lida uma carta com homenagem aos integrantes-fundadores do grupo, padres Agostinho Rutkoski e Francisco Sodiek  (in memorian) e ao bispo pelo apoio recebido neste período. O texto da carta evidenciou a perseverança dos primeiros membros do grupo, que mesmo em meio às dificuldades e reuniões com duas ou três pessoas, nunca desistiram nem deixaram de atuar. Muita gente chorou neste momento.

 “Foi muito emocionante. Passou um filme pela minha cabeça. Pretendo estar na missa dos 100 anos”, dizia Pedro Guerlinger, que frequentou o grupo em 1972 e fez parte dele por oito anos. “Eu tinha recém saído do seminário e participava da Santo Antônio, com o padre Francisco e o irmão Caetano, irmão Marista. Era uma alavanca para nós, um ponto de apoio para todos que precisavam de orientação. Reunia todos nós e trazia para um caminho certo. A gente se sentia bem”, relembrou o atualmente paroquiano da Paróquia Nossa Senhora Medianeira de Todas as Graças. “Os jovens devem procurar se reunir, não vão se arrepender, só têm a ganhar com isso”.

A coordenadora do grupo, Juliana  Cunha, contou que a ideia foi, justamente, reunir as duas gerações  por conta do nome do grupo, ‘Amizade,  e mostrar a comunhão entre os integrantes do passado e de hoje. “Queríamos envolver toda a comunidade, com muitas atrações e uma programação especial”, explicou. O grupo conta com cerca de 20 integrantes, realiza visitas à comunidade e trabalha com a Associação Nossa Senhora de Lurdes, que reúne mulheres com deficiência, levando informação, mensagens de motivação e estimulando a auto-estima, com sessões de maquiagem, por exemplo.

Dom Sergio comentou que o Papa Francisco sugeriu que o terceiro domingo do Tempo Comum seja dia de refletir a Palavra de Deus. “Porque é através da Palavra que Ele se faz presente, a Palavra Eterna pela qual tudo foi criado. E esta Palavra estando presente existe a unidade”, afirmou o bispo, citando o teor da segunda leitura do último domingo, em que, na primeira carta de São Paulo aos Coríntios,  ele se queixa da desunião na comunidade. “São Paulo chama a atenção e reafirma que todos devem viver na unidade, no amor, na comunhão e na amizade. E foi isso que esse grupo de jovem se propôs a fazer, em 1970”. O bispo pediu que os integrantes da década de 70 se identificassem, puxando uma salva de palmas.

 “Agradeço o convite. Interrompi as férias e com alegria, em ação de graças, vim participar. Com o coração cheio de saudade vocês devem lembrar o que viveram naquela época, e, quando criaram o grupo não imaginavam que ele estaria vivo 50 anos depois. Que Jesus continue presente no coração de vocês!”.

Informações Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados