Rangel anuncia municipalização do transporte coletivo

Ponta Grossa

11 de dezembro de 2019 10:30

Da Redação


Relacionadas

Regional de PG terá novos leitos para a Covid-19

Vereador pede informações sobre obras no Mercadão

Prefeitura lança sistema online para solicitar revisão do IPTU

Ponta Grossa registra 39 casos de Coronavírus em 24h
Fundação de Saúde confirma 4º óbito pela Covid em PG
Ponta Grossa alcança nota B em rating do Tesouro Nacional
Unimed PG aposta em lives para reforçar a transparência com público
Rangel confirmou o projeto em coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira Foto: Sérgio Duze
PUBLICIDADE

Em coletiva na manhã desta quarta-feira, prefeito Marcelo Rangel confirmou a implantação do projeto Tarifa Zero e revelou detalhes do projeto de lei

Afirmando ser o maior anúncio da história de Ponta Grossa, o prefeito Marcelo Rangel (PSDB) confirmou nesta quarta-feira (11) a municipalização do transporte coletivo, com a implantação da tarifa zero. Em entrevista coletiva realizada em seu gabinete e acompanhado de outras autoridades do município, ele classificou o dia como histórico e revelou que o projeto é inédito e pode ser usado como exemplo pelo governo estadual após ser implantado.

Durante a coletiva, o prefeito leu parte do projeto de lei protocolado na Câmara Municipal que altera a lei municipal 7.018, de 6 de dezembro de 2002. O portal aRede ainda não teve acesso ao PL para entender todos os detalhes da proposta do governo municipal. Mais informações serão divulgadas ao longo do dia com as minúcias do projeto, a repercussão junto aos órgãos públicos e também a contrapartida da Viação Campos Gerais, atual concessionária do transporte coletivo no município.

Sobre a proposta do prefeito, a Viação Campos Gerais emitiu a seguinte nota:

'Toda iniciativa que visa tornar o transporte coletivo mais democrático e acessível para todos é vista com bons olhos. E é importante que o poder público perceba necessidade de novas fontes de custeio para tornar isso viável. Quanto a forma de operacionalizar essa nova metodologia precisa ser tratada com cautela. É necessário avaliar entre as partes, haja visto que existe um contrato vigente com matriz de risco previamente estabelecida e qualquer alteração precisa respeitar o equlíbrio econômico- financeiro nele garantido. É necessário que se apresente todos os detalhamentos da regulamentação do projeto, que até o momento não dispomos até porque o anúncio ainda não terminou.'

PUBLICIDADE

Recomendados