PG destina R$ 509 mil para Natal e ação gera polêmica

Ponta Grossa

12 de novembro de 2019 17:22

Afonso Verner


Relacionadas

Regional de PG terá novos leitos para a Covid-19

Vereador pede informações sobre obras no Mercadão

Prefeitura lança sistema online para solicitar revisão do IPTU

Ponta Grossa registra 39 casos de Coronavírus em 24h
Fundação de Saúde confirma 4º óbito pela Covid em PG
Ponta Grossa alcança nota B em rating do Tesouro Nacional
Unimed PG aposta em lives para reforçar a transparência com público
PUBLICIDADE

Conselheiros municipais de cultura criticam destinação e cobram recursos para projetos aprovados em edital

A Prefeitura Municipal de Ponta Grossa (PMPG), através da Fundação de Cultura, vai investir mais de R$ 509 mil no evento ‘Vila do Papai Noel e seus duendes artistas’ - a programação será aberta ao público durantes as festas de final de ano. No entanto, a destinação dos recursos causou revolta entre os membros do Conselho Municipal de Cultura que emitiram uma nota pública denunciando o que chamam de ‘calote’. 

De acordo com a Fundação, presidida por Fernando Durante, o valor gasto no evento em 2019 é “compatível ao [valor] do ano passado quando foram investidos R$ 482 mil”. O presidente da Fundação, Fernando Durante, ressaltou ainda que o Natal é a maior festa do ano e a cada edição cresce em visitação, inclusive com a atração de pessoas de outros municípios. 

No entanto, a destinação do recurso diante da falta de verbas para projetos culturais aprovados em editais irritou os membros do Conselho. De acordo com uma nota pública do Conselho, o repasse ao Fundo Municipal de Cultura está previsto em lei e deveria acontecer no primeiro trimestre do ano vigente. “Saem prejudicados com o problema de gestão os proponentes de atividades culturais aprovados nos oito editais propostos pelo CMPC. Alguns foram pagos parcialmente e outros ainda aguardam remuneração pelas atividades contratadas”, diz a nota;

O Conselho protocolou notícia do fato no Ministério Público na semana passada mediante atrasos nos pagamentos e falta de transparência sobre a conta do Fundo. “Ao mesmo tempo, a Prefeitura gasta meio milhão de reais com o Natal na cidade, apesar de alegar falta de recursos para a cultura”, diz a nota dos membros do Conselho de Cultura.

Por sua vez, a Fundação de Cultura defende que o evento de Natal acontece num período em que tradicionalmente o fluxo de pessoas tem um aumento significativo no Parque Ambiental, por conta da decoração natalina e das apresentações artísticas. “Nos últimos anos, foram registradas mais de 60 mil pessoas acompanhando as atividades”, diz a nota da Fundação. 

Atraso prejudica ações no campo da Cultura

Segundo o Conselho, ao todo são 10 (dez) editais comprometidos que abrangem 76 artistas e produtores culturais premiados que teriam direito a receber um volume total de R$ 207 mil. “Para além do referido montante, também não foram pagas as comissões julgadoras envolvidas nos presentes editais de concursos e seletivas de projetos culturais – num valor de R$ 19.500,00”, diz o documento. 

“São diretamente prejudicados pelo não pagamento (previsto em lei, garantido no orçamento e regulamentado via editais específicos) equipes de produtores, colégios, escolas, espaços culturais, equipamentos públicos e demais comunidades, em geral nos bairros da cidade, impactados pelas ações artísticas e culturais previstas e não remuneradas ou remuneradas com atraso”, informa a nota.

Objetivos do investimento na Festa de Natal

A Fundação de Cultura sugere que entre os objetivos do investimento estão promover o turismo regional, valorizar os artistas e a cultura da cidade, promover a democratização do acesso à cultura, incentivar a socialização e a confraternização entre ponta-grossenses.

“Dentro da proposta do evento haverá espaço na Vila para a apresentação de artistas locais. Espetáculos de teatro, música, danças, contação de histórias, entre outros. Para essas atividades já há a garantia de um patrocínio”, diz a nota.

PUBLICIDADE

Recomendados