Crônicas dos Campos Gerais: ‘Fruto do pós-guerra’

Mix

08 de julho de 2020 11:30

Da Redação


Relacionadas

Artista Fernanda Pavão comenta sobre Arte Contemporânea

Alorino faz live beneficente no Dia dos Pais

Liberação de R$ 3 bi da Lei Aldir Blanc será por meio de plataforma

Miguel Sanches Neto lança dois novos livros de crônicas
Projeto Artístico Musical vem movimentando cenário cultural
Uma análise do impacto do Coronavírus nos desfiles de moda neste ano
Zé Vinícius e Rafael agitam o cenário musical de PG
Sueli Fernandes é professora aposentada, nascida em Ponta Grossa e filha da escritora, trovadora e artista plástica Amalia Max. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Texto de autoria de Sueli Maria Buss Fernandes, professora aposentada e formada em história pela UEPG

Era domingo de carnaval. Meio dia. A terra natal espiou minha chegada ao mundo naquele dia ensolarado. Em casa; pelas mãos de uma parteira. A mãe, dezoito anos incompletos. Quase uma criança cuidando de outra. O pai, vinte e seis. Havia voltado há pouco da Itália, não por turismo, voltava da guerra!

De navio, além do Atlântico, fez fileira com os aliados em terras italianas na Segunda Guerra. Um ano e três dias longe da Pátria, e por ela. Solo inóspito, coberto de neve, sol insuficiente para aquecer seu corpo rígido pelo frio inclemente. Pés enrolados em camadas de jornal, depois meias e botas. A gangrena esperava uma chance. Roupas grossas e um cachecol de lã.

Cozinheiro da tropa, chegava antes ao acampamento para que os demais tivessem comida fresca e quente. Mais uma panelada de arroz saboroso! Foi premiado por isso. Comida enlatada era a solução para os dias mais turbulentos. Não usou armas letais. Suas armas foram o fogão e as panelas.

Nativos famintos chegavam em sua barraca pedindo alimento. Moças ofereciam seus corpos em troca de comida. Canhões, fuzis, corpos espalhados, sangue, gemidos, granadas ensurdecedoras; explosões que mutilavam.

Alerta de bombardeio inimigo! Corrida para a trincheira, buraco cavado na terra para proteção. Um chiqueiro desativado seria seu teto por uma noite. Estava sozinho. Fez um pudim e esperava esfriar. As bombas riscavam de luz a noite escura. Escondeu-se. Amanheceu. Do pudim e do chiqueiro nada restou. Estava vivo.

“Por mais terras que eu percorra, não permita Deus que eu morra, sem que eu volte para lá...” diz a Canção do Expedicionário. E Deus permitiu que voltasse. Um ouvido lesionado pelo estrondo de uma granada que explodiu a dois metros de distância, no exato espaço onde deveria ter se lançado ao chão. Não o fez pelo extremo cansaço. Uma neurose que durou alguns anos.

Pesadelos constantes. Noites agitadas, corpo coberto de suor. Durante o sono, julgava que sua esposa corria perigo e então a subjugava com seu corpo para defendê-la de ataques. A madrugada testemunhava gritos dela. Urgia acordá-lo e tirá-lo daquele transe.

Na mochila trouxe o cachecol, uma faca, presente de um companheiro morto na boca da trincheira, algumas fotos, palavras no idioma italiano e canções que entoava alegremente. Os relatos chocantes das experiências vividas se perderam no tempo; no entanto, povoaram minha lembrança por muitos carnavais.

Texto produzido no âmbito do projeto Crônica dos Campos Gerais da Academia de Letras dos Campos Gerais

PUBLICIDADE

Recomendados