Professor de PG produz maquetes em miniatura de blocos de Carnaval

Mix

15 de fevereiro de 2020 09:13

Da Redação


Relacionadas

Live de Marília Mendonça quebra recorde mundial

O jornalismo diferente que se destaca na TV

Depois que tudo passar, programação da Globo sofrerá necessários ajustes

Netflix lança mais recursos para controle dos pais
Crônicas dos Campos Gerais: ‘Cosmogonias subalternas’
Globo analisa também paralisar exibição do ‘É de Casa’
Lives de sábado: saiba quais artistas farão shows online
PUBLICIDADE

 Além do hobby, o artesão representa o sul do país em competições relacionadas a este tipo de produção artística. O trabalho não possui fins lucrativos.


Em época de carnaval, um passatempo inusitado toma conta da rotina do professor ponta-grossense. Renato Garcia produz, anualmente, maquetes artesanais de escolas de samba em miniatura. Além do hobby, o artesão representa o sul do país em competições relacionadas a este tipo de produção artística. O trabalho não possui fins lucrativos.

Segundo o professor, o desenvolvimento das maquetes é demorado e exige muita concentração. “Tudo começa com a escolha do enredo, isto é, o tema que será desenvolvido. Em seguida, com a ajuda de duas professoras, uma de geografia e outra de português, construímos a parte teórica”, explica. Depois do processo textual, são desenvolvidos os desenhos, a produção e a filmagem do desfile. No ano passado, a realização do projeto durou cerca de oito meses.

“Comecei a acompanhar os desfiles aos 10 anos de idade. Foi amor à primeira vista”, explica. “De lá para cá já se passaram quase trinta anos. Sempre que vejo uma escola passando, a emoção ainda é a mesma daquele fevereiro de 1991”, relata o professor que se apaixonou pelo enredo da escola de samba carioca, Mocidade Independente de Padre Miguel.

Em 2001, Garcia foi convidado a desenvolver o Carnaval da Escola de Samba Águia de Ouro que, logo em sua estreia, conquistou o título de campeã ponta-grossense. “Participei também dos concursos de fantasias do extinto Baile Municipal”, detalha. O artesão esteve à frente da organização da Águia de Ouro até 2010, quando descobriu a paixão pelas maquetes.

“Encontrei o Carnaval de maquete por acaso, no youtube, e depois de pensar por mais de m ano, decidi que era a hora de ingressar no meio”, afirma Renato. O professor agora gerencia uma escola de samba virtual. A Império dos Campos Gerais compete a nível nacional por meio da União das Escolas de Samba de Maquete (UESM), que reúne admiradores de todo o Brasil. Em 2019, a Império foi campeã do torneio virtual com seis estatuetas conquistadas.


O que é a União das Escolas de Samba de Maquete?

A União das Escolas de Samba de Maquete é um projeto criado por Marco Antônio Ferreira, em São Paulo, para todos os que respiram Carnaval o ano todo. A associação tem seis anos de idade e é composta por artistas de todo o país que, assim como Renato Garcia, possuem uma escola de samba de maquete. A UESM cuida da organização dos desfiles, bem como do julgamento, que é feita por profissionais ligados ao carnaval do RJ e SP. “Até o momento eu sou o único representante não apenas de Ponta Grossa, mas de todo o sul do Brasil”, afirma Renato.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização