Espetáculo Dancircus lota Praça Edmundo Mercer em Tibagi

Mix

11 de dezembro de 2019 15:20

Da Redação


Relacionadas

Elite mantém a tradição de levar comodidade aos clientes

Brechós online geram renda extra e incentivam o desapego

Grupo de Teatro comemora aniversário de apresentação

Grupo Unidos para o Bem promove Serenata da Alegria
Cineclube Aurora inicia nova programação com podcast
Tribuna de sábado vai realizar sonho de menino barbeiro
Crônica da Semana é de Antonio Marques de Castro
PUBLICIDADE

Neste mesmo final de semana, durante a apresentação, a instituição formou sua primeira aluna, Isabelly Mattos de 13 anos

O fim de semana foi de dança com a magia do circo em Tibagi. A Escola Municipal de Dança (EMD) promoveu o espetáculo 'Dancircus', que reuniu dançarinas e dançarinos da instituição do Departamento de Cultura, tanto da sede, quanto as turmas dos distritos de Alto do Amparo e Caetano Mendes. Centenas de pessoas acompanharam as apresentações, que encantaram o público, com coreografias e acrobacias da trupe, criadas pela professora da EMD, Ana Karina Cruz. O prefeito Rildo Leonardi e a vice-prefeita, Helynez Santos Ribas prestigiaram os dois dias do evento.

O prefeito elogiou todo o trabalho desenvolvido pela escola. “Cerca de 400 jovens participam das aulas do nosso balé. Este espetáculo é uma forma de coroar todo o talento e dedicação deles, que treinam e vivem a dança em seu dia a dia”, disse o prefeito.

Ao longo do espetáculo, foram apresentadas mais de 25 coreografias, todas originais, com as dançarinas do baby class, jazz, jazz clássico, contemporâneo, hip hop, jazz musical, acrobacias e malabares.

Outro destaque aconteceu no sábado (7), quando a professora da EMD entregou a certificação de formação para Isabelly Mattos, a primeira aluna formada pelo Departamento de Cultura. A jovem, de apenas 13 anos, faz aulas desde os três anos de idade.

“Todos os espetáculos que já apresentei foram incríveis, é muito bom dividir o palco com as pessoas que eu mais amo, e agradeço muito a Ana Karina por me dar todas essas oportunidade até hoje. Se não fosse ela acreditar no meu potencial e no meu desempenho acho que hoje em dia não estaria mais dançando. Sou muito grata a ela. A dança é tudo que tenho hoje em dia, a dança tornou algo pra mim que eu não conseguiria viver sem”, disse Isabelly, que continuará dançando e treinando na EMD.

Caso ela queira ser reconhecida como profissional, ela precisará passar por uma banca de avaliação que cederá o documento nacional e o registro de bailarina.

Com informações da Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados