PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Polícia prende líderes de igreja envolvidos em trabalho escravo

Cotidiano

23 de julho de 2021 17:19

Agência Estadual de Notícias


Relacionadas

Primavera é marcada pela manifestação de alergias

Venda de imóvel de programa habitacional é proibida

Confiança do industrial no Paraná cai em setembro

Tiroteio em Curitiba resulta em suspeito morto e dois presos
Profissionais de saúde vão receber dose de reforço
Alexandre Garcia é demitido ao defender tratamento precoce
Ratinho Jr. sanciona lei que destina R$ 480 mi à Educação
Ao menos cinco crianças foram vítimas dos indivíduos Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Ao menos cinco crianças foram vítimas dos indivíduos

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) prendeu três pessoas de uma mesma família, líderes religiosos envolvidos no aliciamento de crianças e adolescentes com intuito de submetê-las ao trabalho escravo. Ao menos cinco crianças foram vítimas dos indivíduos. A prisão aconteceu nesta sexta-feira (23), em Maringá, no Noroeste do Estado. 

A PCPR também apreendeu computadores, celulares, tablet, máquina fotográfica, máquinas de cartão, celular, pen drive, HD externo, arma e munições. Além de uma quantia superior a R$ 15 mil. A Vigilância Sanitária confiscou ainda 200 pizzas, que seriam vendidas pelas vítimas. Dezoito policiais civis participam da operação, que contou com o apoio da Vigilância Sanitária e do Conselho Tutelar. 


Crime

Os alvos da operação são pai, mãe e filho. Os três são líderes religiosos e comandavam a venda de pizzas feitas em uma igreja, comercializadas em Maringá e cidades da região. O trio atraía as crianças e adolescentes afirmando que a ação seria uma obra divina e que o dinheiro seria doado para crianças com câncer. 

Após o aliciamento, os menores eram submetidos ao trabalho forçado, em jornada excessiva. Os suspeitos ainda obrigavam as crianças a prestar contas relacionadas às vendas de pizzas, por meio de ameaças e agressões físicas e verbais.   

Uma das vítimas, de 13 anos, foi subtraída dos pais para trabalhar como empregada doméstica na casa da família de pastores. Os pais que tentavam contestar os métodos do grupo também eram agredidos e ameaçados.

PUBLICIDADE

Recomendados