Caminhoneiros ameaçam greve dia 1º de fevereiro

Cotidiano

13 de janeiro de 2021 16:25

Da Redação


Relacionadas

EUA se juntarão à Covax, que distribui vacinas a países pobres

RodoNorte realiza obras de manutenção na BR 277

Déficit tecnológico é impasse na volta às aulas do ensino remoto

Mega-Sena acumula e prêmio vai para R$ 22 milhões
Imposto de pneus de transporte de cargas tem tarifa zerada
Biden anuncia retorno dos EUA ao Acordo de Paris
Conheça os programas que utilizam as notas do Enem
Segundo o presidente da ANTB, o protesto pode ser ainda maior do que as ações realizadas em 2018 Foto: Agência Brasil
PUBLICIDADE

Segundo o presidente da ANTB, o protesto pode ser ainda maior do que as ações realizadas em 2018

A greve dos caminhoneiros, prevista para o próximo dia 1º de fevereiro, vem crescendo em adesões e, de acordo com o presidente da Associação Nacional do Transporte Autônomos do Brasil (ANTB), José Roberto Stringasci, poderá ser maior do que a realizada em 2018, devido ao grau crescente de insatisfação da categoria, principalmente em relação ao preço do diesel e às promessas não cumpridas após a histórica greve no governo Temer.

Integrante do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC), que na semana passada já alertou para a possibilidade de uma paralisação nacional, a ANTB representa cerca de 4,5 mil caminhoneiros, e não vê problema de realizar uma greve em plena pandemia.

"A pandemia nunca foi problema. A categoria trabalhou para cima e para baixo durante a pandemia. Muitos caminhoneiros ficaram com fome na estrada com os restaurantes fechados, mas nunca parou", afirma Stringasci.

Segundo ele, a alta do preço do diesel é o principal motivador da greve, mas conquistas obtidas na paralisação de 2018, que chegou a prejudicar o abastecimento em várias cidades, também estão na lista de dez itens que estão sendo reivindicados ao governo para evitar a greve.

"Esse (diesel) é o principal ponto, porque o sócio majoritário do transporte nacional rodoviário é o combustível (50% a 60% do valor da viagem) Queremos uma mudança na política de preço dos combustíveis", informa.

Com informações do portal GZH. Leia mais aqui.

PUBLICIDADE

Recomendados