Suspendido os pagamentos ao Fies na pandemia

Cotidiano

10 de julho de 2020 12:10

Da Redação


Relacionadas

Brasil atinge a marca de 100 mil mortes por Covid

Vídeo mostra sequestradores usando refém como escudo

Morretes reabre para turistas, mas com entrada controlada

Fiocruz recebe R$ 100 milhões para produção de vacina
Motoboy é alvo de ofensas racistas; veja o vídeo
TCU avalia riscos de ações à educação durante pandemia
Bancários pedem regulamentação de home office
Dentre vários outros pontos, a nova lei ainda revoga o parcelamento de débitos ao Fies que estava em vigor e estabelece novas regras, com termos semelhantes. Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal
PUBLICIDADE

Para obter o benefício, o estudante deverá manifestar interesse ao banco por meio dos canais de atendimento criados para essa finalidade

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei que suspende o pagamento de parcelas do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) durante o período de estado de calamidade pública decorrente da pandemia do novo coronavírus no País, que termina em 31 de dezembro. A lei está publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União (DOU).

O projeto que deu origem à norma é de autoria da Câmara e foi aprovado pelo Congresso no mês passado. Pelo texto, terão direito à suspensão os estudantes com pagamentos em dia e também aqueles com prestações em atraso por, no máximo, 180 dias, desde que as dívidas com essas prestações tenham sido contraídas até 20 de março de 2020.

Para obter o benefício, o estudante deverá manifestar interesse ao banco por meio dos canais de atendimento criados para essa finalidade. Em virtude da pandemia, as mudanças nos contratos podem ser formalizadas pelo estudante ou na agência bancária ou a distância, por meio de assinatura eletrônica, nos termos de regulamento.

Bolsonaro fez apenas um veto ao projeto e deixou de fora da lei o trecho que trata do uso do Programa de Financiamento Estudantil de forma complementar ao Fies tradicional. Segundo o governo, a proposta "está em descompasso com as atuais diretrizes delineadas para o Novo Fies, além de estimular o inadimplemento dos beneficiários do programa".

Dentre vários outros pontos, a nova lei ainda revoga o parcelamento de débitos ao Fies que estava em vigor e estabelece novas regras, com termos semelhantes.

Informações Bem Paraná

PUBLICIDADE

Recomendados