Governo publica MP que libera R$ 3 bilhões para cultura

Cotidiano

10 de julho de 2020 13:00

Agência Brasil


Relacionadas

WhatsApp ganha recurso de verificação de mensagem

Paraná já conta com R$ 200 milhões para compra de vacinas

Confiança do empresário sobe pelo terceiro mês seguido

Mourão manifesta preocupação com incêndios na Amazônia
Mercado acredita em redução da taxa Selic nesta semana
Divulgado calendário do auxílio emergencial de quem contestou
BNDES terá mais recursos para recuperação de resíduos sólidos
As atividades do setor - cinemas, museus, shows musicais e teatrais, entre outros, foram umas das primeiras a parar, como medida de prevenção à disseminação do novo coronavírus no país. Foto: Reprodução/Agência Brasil
PUBLICIDADE

A medida foi publicada hoje no Diário Oficial 

O presidente Jair Bolsonaro editou medida provisória (MP) que abre crédito extraordinário de R$ 3 bilhões a estados, municípios e ao Distrito Federal para o pagamento do auxílio financeiro ao setor cultural. A MP nº 990/2020 foi publicada hoje (10) no Diário Oficial da União.

A Lei nº 14.017/2020, que instituiu o auxílio, chamada de Lei Aldir Blanc, foi sancionada por Bolsonaro no final do mês passado. As atividades do setor, cinemas, museus, shows musicais e teatrais, entre outros, foram umas das primeiras a parar, como medida de prevenção à disseminação do novo coronavírus no país.

O texto da lei prevê o pagamento de três parcelas de um auxílio emergencial de R$ 600 mensais para os trabalhadores da área cultural, além de um subsídio para manutenção de espaços artísticos e culturais, microempresas e pequenas empresas culturais, cooperativas e organizações comunitárias. Os estados, municípios e o Distrito Federal serão os responsáveis pela distribuição dos recursos, de acordo com os critérios definidos na lei.

De acordo com a MP publicada hoje, os recursos serão liberados a partir da contratação de operação de crédito interna (contratos ou emissão de títulos da dívida pública). A MP tem força de lei a partir de sua publicação, mas ainda depende de aprovação do Congresso Nacional.

PUBLICIDADE

Recomendados