Mãe confessa assassinato de filho de 11 anos no RS

Cotidiano

26 de maio de 2020 10:24

Da Redação


Relacionadas

Documento digital de veículos está disponível; saiba como usar

Novo ciclone chega ao Sul e causa chuva, ventania e granizo

Sesa confirma 2.380 novos casos e 34 mortes pela covid-19

Defesa Civil levanta danos da passagem de ciclone em SC
Mais de 70 mil imóveis seguem sem energia no Paraná
Mega-Sena sorteia R$ 27 milhões neste sábado
Governo destinará R$ 500 mi para proteger a Amazônia
Alexandra Dougokenski confessou à polícia ter assassinado o próprio filho em 15 deste mês Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

Corpo de Rafael Mateus Winques foi encontrado numa casa abandonada, ao lado da residência onde vivia a família

Depois de 10 dias de buscas, a Polícia Civil encontrou o corpo do garoto Rafael Mateus Winques, de 11 anos, em uma casa abandonada no município de Planalto, que fica a 406 quilômetros de Porto Alegre. De acordo com as investigações, a própria mãe, Alexandra Dougokenski, confessou o crime do assassinado da criança, desaparecida desde 15 de maio, por medicação indevida, cujo nome não foi divulgado.

Alexandra foi ouvida pelas autoridades e teve prisão preventiva decretada pela Justiça. A informação da morte da criança pela própria mãe foi confirmada pela delegada Nadine Anflor. 

Em depoimento, ela afirmou que o filho desapareceu durante à noite. A genitora teria deixado o menino no quarto para dormir e, quando acordou, no dia seguinte, ele não estava mais no local. Conforme o relato, a cama estava desarrumada e a porta da casa, encostada. O local não tinha sinais de arrombamento. 

A mãe disse ainda que o menino usava uma camiseta do Grêmio, calça de moletom preta, chinelos e óculos de grau, vestimentas que não foram localizadas no quarto dele. 

A suspeita inicial era de que Rafael havia saído de casa durante a noite. A família procurou por ele na casa da avó e de amigos, mas não o encontrou. A Polícia Civil também tinha como hipótese que ele havia sido sequestrado. 

Alexandra viva com Rafael e seu outro filho, um adolescente de 16 anos, numa casa próxima ao local onde o corpo foi encontrado. Segundo ela, Rafael convivia com problemas emocionais e, por isso, teve a necessidade de tomar um medicamento mais forte. A polícia também vai investigar o teor da substância para analisar a hipótese de envenenamento.

Informações Estado de Minas

PUBLICIDADE

Recomendados