Oferta aRedeShopping
Novo surto da covid na China indica mutação do vírus

Cotidiano

20 de maio de 2020 10:19

Da Redação


Relacionadas

Moradores ateiam fogo em abrigo com infectados de Covid

Nasa e SpaceX fazem hoje nova tentativa de lançamento

Weintraub não se manifesta em depoimento à Polícia Federal

Aula Paraná facilita registro de presença dos estudantes
Paraná estima safra de grãos acima de 40 mi de toneladas
Saúde alerta para riscos da Covid-19 em fumantes
Secretaria Estadual lança na segunda o 'Canal do Professor'
Cientistas ainda avaliam se sinais diferentes em novo surto se devem à mutação ou fatores externos Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

Sintomas de novo surto de contágio por coronavírus no país asiático são diferentes do original, que ocorreu em Wuhan

Médicos e cientistas chineses tentam identificar uma possível mutação no coronavírus devido a um novo surto registrado no nordeste do país asiático. Os especialistas notaram que o vírus tem se manifestado de forma diferente do que já tinha sido registrado em Wuhan, área do primeiro surto. Com base no que foi levantado até agora, a principal suspeita é de que o patógeno esteja passando por mutações de formas desconhecidas.

Em entrevista ao canal da TV estatal, o médico Qiu Haibo (um dos principais da China) disse que pacientes de duas províncias (Heilongjiang e Jilin) aparentam portar o vírus por um período maior do que se tinha registro, e os testes demoram mais tempo para aparecerem negativos.

O especialista também disse que os contaminados nessas regiões também manifestaram os sintomas depois de duas semanas, tempo médio observado em Wuhan. O atraso dificulta o trabalho das autoridades em saúde para tentar evitar o contágio. Nos últimos 15 dias, foram registrados 46 novos casos em duas províncias, o que levou os governos locais a adotarem o isolamento social numa região com mais de 100 milhões de pessoas.

Apesar dos indícios, os cientistas ainda não conseguiram identificar se de fato o vírus teve alguma mutação ou se as diferentes observações se devem à fase em que os pacientes estão observados – em Wuhan, as análises começaram apenas depois que o surto foi identificado.

Com informações do UOL e Bloomberg.

PUBLICIDADE

Recomendados