Suzane von Richthofen perde vaga na faculdade por faltas

Cotidiano

20 de fevereiro de 2020 16:20

Da Redação


Relacionadas

Polícia Civil do Paraná abre 400 vagas em concurso

Receita regulariza CPFs com pendências

Mega acumula e deve pagar R$ 13 milhões no próximo sorteio

RodoNorte distribui TAGs com isenção da mensalidade
CPF pode ser obtido nas agências dos Correios
MP regulamenta reembolso de eventos culturais e de turismo
Maioria dos casos de covid-19 têm entre 31 e 40 anos no PR
Esta é a terceira vez que Suzane é aprovada no vestibular. Foto: EBC
PUBLICIDADE

Suzane tentava na Justiça permissão para frequentar as aulas

Suzane von Richtofen, condenada a 39 anos de prisão pelo assassinato dos pais, perdeu o semestre na faculdade de gestão de turismo no Instituto Federal de São Paulo (IFSP) após faltar as aulas por dez dias seguidos. 

Segundo o regulamento da instituição, são considerados desistentes os aprovados que não fizerem matrícula ou que não participassem dos dez primeiros dias de aulas sem apresentação de justificativa. O prazo foi encerrado na terça-feira (18).

“Serão considerados desistentes os candidatos aprovados em processo seletivo que não efetuarem a matrícula no prazo, bem como os estudantes matriculados que não frequentarem os 10 (dez) primeiros dias úteis de atividades acadêmicas, sem apresentação de justificativa devidamente comprovada e atestada, a ser analisada pela Coordenadoria Sociopedagógica”, diz o artigo 53 da organização didática do Instituto Federal.

Suzane tentava na Justiça permissão para frequentar as aulas do curso. Ela está presa na Penitenciária Feminina de Tremembé, distante 45km do IFSP. A detenta conseguiu a vaga após prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em 2019, e passou na oitava posição para o curso utilizando a nota no Sistema de Seleção Unificada (Sisu).

Em nota, a IFSP informou que "caso ela seja liberada após os 10 dias úteis, uma justificativa deverá ser analisada, porém, até o momento, não tivemos informações da Justiça sobre o caso". De acordo com o Tribunal de Justiça, o processo corre sob sigilo.

Esta é a terceira vez que Suzane é aprovada no vestibular. Ela também tentou cursar administração na Universidade Anhanguera de Taubaté, em 2016, e na faculdade católica Dehoniana, em 2017, mas não se matriculou por meio de represálias dos colegas.

Com informações do Correio Braziliense

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização