TRE anula cassações de Jonas Guimarães e Ricardo Barros

Cotidiano

28 de janeiro de 2020 14:37

Da Redação


Relacionadas

Cooperativas da agricultura familiar terão crédito ampliado

Inscrições para bolsas do ProUni terminam quarta-feira

Caixa paga hoje auxílio emergencial do ciclo 2

Paraná é uma das rotas do tráfico de animais silvestres
Comércio do Paraná cresce pelo terceiro mês consecutivo
Foz do Iguaçu retoma voos para seis destinos
Confiança da indústria atinge maior nível desde 2013
Para os deputados Jonas Guimarães e Ricardo Barros, a decisão do TRE/PR restabelece a verdade dos fatos Foto:
PUBLICIDADE

O julgamento realizado em outubro, que determinava cassação do mandato dos deputados e da ex- governadora, foi anulado

 Acolhendo embargos de declaração apresentado pelos advogados de defesa do deputado estadual Jonas Guimarães, da ex-governadora Cida Borghetti, ambos do PSB, e deputado federal Ricardo Barros (PP), o Tribunal Regional Eleitoral do Paraná –TRE/ PR, anulou nesta segunda-feira, 27, o julgamento anterior, realizado em outubro do ano passado, que determinava a cassação do mandato de ambos os deputados e aplicava multa aos representados.
No primeiro julgamento, por 3 votos a 2, a Corte entendeu que a presença dos representados durante a comemoração do aniversário do município de Barbosa Ferraz, ocasião em que havia comida e bebida para os convidados, configurava irregularidade cometida durante o período eleitoral de 2018.
Nesta segunda-feira foi reconhecido, por unanimidade, pelo TRE/PR, que o julgamento de outubro não respeitava a quantidade mínima de autoridades presentes para votação e, assim, outro julgamento foi realizado. Neste, seguindo o entendimento do relator quanto à falta de conexão entre a alimentação servida durante o evento, e a presença dos políticos, foi desconfigurada qualquer relação de compra de votos por decisão unânime.
Para o deputado Jonas Guimarães, a decisão do TRE/PR restabelece a verdade dos fatos.  “Recebo esta notícia com alegria, pois ela restabelece a verdade dos fatos. Não havia justificativa para a cassação, não constava no processo qualquer indício que configurasse irregularidade cometida durante o pleito eleitoral”, comemorou o deputado.

PUBLICIDADE

Recomendados