Saúde promove ações no Dia de Combate à Hanseníase

Cotidiano

24 de janeiro de 2020 12:00

Agência Estadual de Notícias


Relacionadas

EAD ganha impulso com a suspensão das aulas

Curitiba reforça limpeza dos 22 terminais de ônibus

Paulo Guedes diz que, como cidadão, prefere isolamento

Aniversário de Curitiba tem soar de sinos e oração pelo fim da pandemia
Sobe para 152 o número de infectados pelo coronavírus no Paraná
Ônibus fica destruído após bater contra poste em Curitiba
Bolsonaro contraria Ministério da Saúde e faz tour pelas ruas
O diagnóstico e o acompanhamento são feitos pela rede pública de saúde por meio das unidades básicas e centros especializados Foto: Reprodução / Agência Brasil
PUBLICIDADE

A contaminação acontece pelas vias aéreas superiores, por meio de espirros, tosse, fala e respiração. 

O último domingo de janeiro marca do Dia Mundial de Combate à Hanseníase, doença infecciosa transmitida por uma bactéria, conhecida como bacilo de Hansen. A contaminação acontece pelas vias aéreas superiores, por meio de espirros, tosse, fala e respiração. O diagnóstico e o acompanhamento são feitos pela rede pública de saúde por meio das unidades básicas e centros especializados.

“O alerta do Dia Mundial é para que a população e mesmo os profissionais da saúde fiquem atentos para a doença, pois o tratamento cura a hanseníase”, explica o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

No Paraná, o Plano Estadual de Saúde prevê manter o índice de cura dos casos de hanseníase diagnosticados na casa dos 90%. O Estado é reconhecido nacionalmente pela manutenção desta taxa de cura, classificada como boa pelo Ministério da Saúde. Para isso, a secretaria estadual manterá todas as etapas do tratamento: suspeição de casos, com monitoramento de suspeitos e pessoas próximas a ele; diagnóstico, medicamentos e acompanhamento na atenção primária, com fluxos de encaminhamento estabelecidos à atenção secundária, terciária, referências e equipe multiprofissional.

SINTOMAS - Para que ocorra esta contaminação é preciso contato direto e prolongado com o portador. O período de incubação também é longo, de dois anos em média, mas a doença pode levar até dez anos para se manifestar. Entre os primeiros sintomas estão as manchas pelo corpo, com alteração ou perda de sensibilidade local, fraqueza e dores nas articulações de braços, pernas, mãos e pés.

A doença atinge pessoas de todas as idades e muitas vezes passa despercebida porque as manchas, seu sinal mais visível, não doem, não coçam, não incomodam. Isto faz com que o diagnóstico aconteça tardiamente, quando o doente já apresenta incapacidades físicas por comprometimento dos nervos.

TRATAMENTO - A Organização Mundial da Saúde indica a poliquimioterapia como terapêutica, com a associação de três antibióticos. O tratamento dura seis meses para os casos mais leves e 12 meses nos mais avançados, podendo ser prolongado.

Assim que começa a fazer uso do medicamento o doente deixa de transmitir a bactéria e os sintomas, que podem provocar lesões neurais, deformidades e incapacidades, ficam mais controlados.

“Por isso, a divulgação de informações sobre a doença é fundamental e tem sido um esforço constante da Secretaria da Saúde, a fim de aumentar o diagnóstico, diminuir a transmissão e evitar sequelas com o tratamento oportuno”, complementa o secretário.

O diagnóstico da hanseníase é essencialmente clínico e epidemiológico, realizado por meio do exame geral e dermatoneurólogico para identificar lesões ou áreas de pele com alteração de sensibilidade e comprometimento de nervos periféricos.

DADOS – Em 2019, o Paraná teve 510 novos casos de pacientes confirmados com hanseníase, oito deles em crianças. Do total, 80% procuraram ajuda médica já em fase avançada da doença.

São mais de 3 mil pacientes em tratamento e acompanhamento no Estado. A maioria do sexo masculino, em idade produtiva, de 20 a 59 anos.

Em cada 100 doentes, aproximadamente 50 apresentam sequelas físicas.

COMBATE - O combate ao estigma que ainda envolve a doença também faz parte das ações do Dia Mundial de Combate à Hanseníase. “É fundamental destacarmos que a discriminação e o isolamento de pacientes são etapas do passado. Hoje o tratamento é eficaz e a doença pode ser curada”, disse a coordenadora da Divisão de Doenças Transmissíveis da secretaria, Mara Franzoloso.

JANEIRO ROXO – Desde 2016, o Ministério da Saúde consolidou a cor roxa para as campanhas de conscientização, orientação e prevenção para hanseníase. De 2000 para cá, o sistema de informação de agravos da Secretaria de Saúde do Paraná totaliza 25.540 notificações para a doença.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização