PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

AMCG discute propostas para novo programa habitacional

Campos Gerais

25 de janeiro de 2021 20:15

Da Redação


Relacionadas

Piraí do Sul celebra 140 anos de emancipação política

Municípios da AMCG confirmam interesse na compra de vacinas

Telêmaco estuda implementar nova usina de reciclagem

Cidades ampliam fiscalização de restrições impostas por decreto
São João do Triunfo inicia castração de animais de rua
Ipiranga aprova recurso para a área de saúde
Cândido de Abreu solicita reformas em rodovia
O modelo de trabalho adotado pelo governo do Paraná alcançou bons resultados em 2020. Um exemplo é o condomínio para idosos, construído em Jaguariaíva. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Projeto ‘Casa Verde e Amarela’ substitui o ‘Minha casa, minha vida’. Moacyr Fadel destaca interesse da região na iniciativa

O Governo do Paraná apresentou, na tarde desta segunda-feira (25), o programa habitacional ‘Casa Verde Amarela’ para a Associação dos Municípios dos Campos Gerais (AMCG). Por meio de webconferência, presidentes e diretores executivos foram informados sobre prazos e projetos que podem ser contemplados no programa federal, que substitui o Programa ‘Minha Casa, Minha Vida’.

“A diferença entre os programas é que o Casa Verde Amarela compreende o deficit habitacional em todas as suas vertentes”, explicou o secretário nacional de habitação Alfredo Santos, destacando que, além da construção de novas casas, existe a possibilidade de reformas e regularização fundiária, por exemplo. “Um problema tão complexo não conta com somente uma única solução”, explicou.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior destacou a importância dos projetos nos municípios, que são cruciais na angariação de recursos para os programas. “Os novos gestores devem se atentar na elaboração dos projetos. Com organização e agilidade, os municípios podem receber os recursos do programa”, avalia.

O presidente da Associação dos Municípios dos Campos Gerais (AMCG), Moacyr Fadel representou a região durante a webconferência. “Temos que nos atentar aos recursos que nossos municípios podem ter acesso. A questão habitacional é de suma importância, e em nossa região também contamos com diversas problemáticas, como os processos de regularização fundiária, que podem ser sanadas ao acessar o programa”, destaca, adiantando que todas as informações serão repassadas aos municípios associados.

Em sua apresentação, o secretário nacional de habitação enumerou o deficit habitacional do país e do estado para destacar a importância do programa. Em 2019 o deficit era de 5,9 milhões de domicílios. Além disso, 24,4 milhões de moradias foram consideradas inadequadas em todo o país. No Paraná o número é de 248.555, sendo 230.970 na área urbana, e 17.585 na área rural.


Processo de adesão inicia em breve

A adesão dos municípios às ações de regularização fundiária e melhoria habitacional começam no dia 1º de fevereiro. O objetivo é iniciar o processo de regularização fundiária de mais de 100 mil imóveis de famílias de baixa renda até o fim de 2021, dos quais cerca de 20 mil também receberão adequações para garantir uma moradia digna. O modelo de trabalho adotado pelo governo do Paraná alcançou bons resultados em 2020. Um exemplo é o condomínio para idosos, construído em Jaguariaíva.

PUBLICIDADE

Recomendados