Oferta aRedeShopping
Estiagem pode comprometer a safra de inverno na região

Agronegócio

20 de maio de 2020 21:17

Fernando Rogala


Relacionadas

Agronegócio impulsiona atividades econômicas na região

Digital Agro ganha plataforma para promoção de conteúdo

Vazio sanitário da soja no Paraná terá início dia 10 de junho

Conab compra produtos da agricultura familiar na região
Castrolanda celebra Dia Mundial do Leite e destaca resultados
Estiagem no Estado prejudica produção de milho e feijão
Frísia lança Digital Agro Connection para startups
Safra de trigo deve ser prejudicada no Estado em função da falta de chuva Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Algumas regiões do Paraná já sofrem com a seca. Nos Campos Gerais, o plantio começa  a atrasar 


A forte estiagem registrada no Estado do Paraná pode trazer prejuízos a produtores rurais e comprometer a safra de inverno deste ano. Um estudo detalhado sobre o que ocorre neste ano em relação às chuvas aumenta a preocupação dos produtores, e mostra que esta é a seca mais prolongada no Paraná desde que o Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar) começou a monitorar as condições do tempo, em 1997. As regiões mais afetadas são o norte e o oeste. Nos Campos Gerais, a situação ainda não preocupa, mas se faltar chuva nas próximas semanas, há o risco de grandes prejuízos ao setor.

“O impacto que esta estiagem vem provocando nos últimos dias é na semeadura dos cereais de inverno. Alguns produtores realizaram o plantio no pó, com a expectativa de que iria chover na sequência, e outros estão aguardando um volume de chuva considerável para poder realizar o plantio”, disse Dirlei Antonio Manfio, técnico do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, autor do estudo.

Nos Campos Gerais, o economista do núcleo regional do Deral, Luiz Alberto Vantroba, aponta que o plantio já deveria ter sido iniciado e estar avançando em alguns municípios, com cerca de 10% de todo o trigo plantado, o que representaria cerca de 12 mil hectares. Contudo, o que se vê hoje é cerca de 1% semeado. “Nesta semana choveu entre 16 e 18 milímetros em algumas regiões, então os produtores aproveitaram para escalonar o plantio. São áreas nos municípios mais ao norte da regional, como Piraí do Sul, Tibagi, Ventania, Reserva”, explica Vantroba, explicando que alguns produtores utilizaram a artimanha de semear de forma mais rasa, para pegar a umidade. 

O Calendário de plantio de trigo na região é mais tardio do que em outras regiões. No Oeste, por exemplo, em Cascavel, 129 mil hectares de trigo já foram plantados, o que representa 72% do total previsto. Em Cornélio Procópio 80% já foi plantado e em Londrina essa conta já chegou a 100%. Nesses locais a situação é mais crítica. Nos Campos Gerais esse calendário inicia em 10 de maio e segue até o final de junho. 

Porém, a falta de chuva é preocupante no sentido de que muitos produtores fazem o escalonamento do plantio entre o início da janela de plantio, o meio e o fim, de modo a evitar grandes perdas em caso de alguma situação extrema. “O risco é menor do que concentrar todo o plantio. Além disso é importante dar esse intervalo para facilitar o controle e o manejo, como por exemplo em algumas áreas concentrar a evitar as ervas daninhas, e em outros outras pragas”, esclarece. Caso não chova nos próximos dias, há a possibilidade de uma redução na área plantada, especialmente por quem ainda não comprou as sementes ou insumos.


Chuva é escassa em maio

O Simepar possui 54 estações digitais no Paraná, com atualização a cada 15 minutos, enquanto o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) tem outras 27 estações, atualizadas a cada hora. São elas que mostram que a redução no volume de chuvas acentuou-se nos últimos meses. As projeções são de dificuldades na semeadura de inverno e na cadeia da pecuária. As maiores dificuldades começaram a ser observadas em março e se estenderam para abril. À falta de chuva somaram-se as temperaturas acima da média. O estudo de Manfio foi desenvolvido até 15 de maio. “Na primeira quinzena o volume de chuva foi praticamente inexistente em todas as regiões” disse.

PUBLICIDADE

Recomendados