aRede aRede aRede
aRede
Golpistas usam redes sociais para vender notas falsas

Ponta Grossa

13 de setembro de 2017 10:40

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Cescage assina carta de proteção e recuperação de parque

Lei de Rudolf busca combater sujeira em terrenos baldios

Evento da Tavarnaro aquece mercado imobiliário local

Ocupação dos hotéis de PG preocupa empresários
Câmara de PG quer reabrir prazo para isenção do IPTU
Presos ‘aproveitam’ visita e fogem do Hildebrando
Gestante fica ferida após acidente em Uvaranas
Postagem anuncia venda de cartões e cédulas falsificadas/Reprodução/Facebook
PUBLICIDADE

Autoridades de Ponta Grossa são notificadas sobre o suposto comércio de notas e cartões de crédito e débito pelas redes sociais

Crise econômica, desemprego, sustentar a família. São várias as justificativas encontradas por quem está em busca de dinheiro fácil sem, necessariamente, se importar com o bem-estar do próximo. E é justamente para encontrar esse tipo de pessoa que golpistas usam as redes sociais e grupos de Whatsapp. Malandragem, desonestidade ou crime, seja qual for o termo escolhido para designar esses atos, as mídias sociais vêm sendo usadas para o comércio de notas e cartões falsos.

Uma leitora do portal aRede procurou a redação para denunciar uma dessas situações. Um homem fez a seguinte postagem em um grupo de compra e vendas no Facebook que reúne moradores de Ponta Grossa e região. “Quem estiver precisando ganhar um dinheiro extra, chegou a hora. Estou vendendo notas fake da melhor qualidade”, escreveu o rapaz, com erros de português que foram corrigidos pela redação.

Ele explica que tem notas de 10, 20, 50 e 100 reais e garante que seu produto é feito em “um papel quase perfeito, qualidade boa, passa em alguns testes”. “Ótima oportunidade para ganhar dinheiro”, completa o autor da postagem em busca de alguém que esteja necessitado.

Não bastando a venda de cédulas falsificadas, o homem também anuncia a venda de cartões de débito e crédito falsificados. “Com chip e senha, desbloqueado, tenho vários tipos de limites, preço bom”, comunica. O ‘vendedor’ não informa os preços pelos quais os produtos criminosos são vendidos, mas orienta que os interessados procurem ele no chat do Facebook. Não há informações sobre quantas pessoas se manifestaram em busca das notas falsificadas.

As autoridades policiais de Ponta Grossa monitoram constantemente as postagens realizadas em redes sociais e investigam o possível comércio de cédulas e cartões falsificados. Conforme o artigo 289 do Código Penal Brasileiro, fabricar, alterar, falsificar, comprar ou vender moeda falsa é crime com pena de três a 12 anos de prisão, além do pagamento de multa.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização