aRede aRede aRede
aRede
Motoboy é demitido ao cair no ‘gemidão’ do WhatsApp

Insana

23 de agosto de 2017 08:15

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Idosa de 92 anos mata filho para evitar de ir para asilo

Homem ganha na loteria três vezes em menos de um mês

Mulher fica com cabeça presa em escapamento de carro

Homem ganha quatro vezes na loteria em menos de dois meses
Selfie com cobra quase acaba em tragédia na Índia
'Chuva' de polvos e lulas assusta moradores da China
Americano tem pé amputado e o cozinha para jantar 'especial'
Trabalhador conseguiu reverter na Justiça demissão por justa causa | Fotos Públicas/
PUBLICIDADE

Ele entrou na Justiça e conseguiu reverter a demissão por justa causa; funcionário trabalhava como entregador em uma farmácia de Natal (RN)

Um motoboy que foi demitido de uma farmácia depois de cair no ‘gemidão’ do WhatsApp conseguiu reverter na Justiça a demissão por justa causa. O caso foi divulgado pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de Natal (RN), onde a situação inusitada foi registrada.

Na ação, o ex-empregado alegou que, involuntariamente, "caiu em uma pegadinha" em seu horário livre ao abrir uma mensagem que lhe foi enviada. Ele afirmou ainda que "tal pegadinha é costumeira nos grupos de Whatsapp e tem o intuito de constranger a pessoa que recebe o vídeo".

De acordo com a farmácia onde ele trabalhava, no entanto, o motoqueiro demonstrou "maus hábitos ", utilizando o celular para assistir a vídeos em horário de expediente, "sobretudo quando comete ofensa ao pudor", em "total desrespeito aos colegas de trabalho, clientes e a própria empresa".

A empresa alegou ainda que o áudio, "reproduzido em alto volume", resultou em diversas reclamações e prejuízos, pelo fato de que vários "clientes saíram sem efetuar suas compras ao ouvirem os sons que ecoaram por todo estabelecimento".

Para a juíza Isaura Maria Barbalho Simonetti, sendo incontroverso que o trabalhador encontrava-se utilizando o aplicativo Whatssap durante o expediente e que assistiu a um vídeo pornográfico, restaria apenas decidir se tal ato foi intencional ou não. De acordo com ela, não existem provas da intenção do autor da ação em causar o constrangimento e nem quanto aos prejuízos alegados pela empregadora.

Ela destaca que a "empresa sequer produziu prova testemunhal" para comprovar suas alegações. Também não apontou "com exatidão o número de clientes presentes no momento, se houve reclamações formais ou queda nas vendas após o episódio, sequer mencionando, ainda que aproximadamente, uma estimativa de prejuízo financeiro"

No entendimento da juíza Isaura Simonetti, "a punição mais severa", que é a demissão por justa causa, deve ocorrer quando não restar dúvidas acerca da intenção do empregado em praticar a conduta que pode justificá-la, o que não foi o caso.

Informações TRT21.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização